EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Mercados tranquilos com resultados das eleições europeias

Mercados tranquilos com resultados das eleições europeias
Direitos de autor 
De  João Paulo Godinho
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Bolsas abriram em alta ligeira na ressaca das eleições, em que forças eurocéticas tiveram ganhos de relevo, mas aquém das previsões iniciais.

PUBLICIDADE

Os mercados financeiros reagiram esta segunda-feira com tranquilidade ao desfecho das eleições europeias, que voltou a confirmar o Partido Popular Europeu como a força mais expressiva, apesar de ter registado perdas significativas.

Num sufrágio em que os partidos populistas e eurocéticos não atingiram a expressão que algumas sondagens indiciavam, as bolsas abriram, assim, no 'verde'.

O índice pan-europeu Stoxx 600 abriu a ganhar 0,4%, impulsionado também pela notícia de uma possível fusão no setor automóvel entre a Fiat-Chrysler e a Renault.

"Os mercados financeiros estão relaxados por enquanto. Os populistas de direita não são tão fortes, o que significa que a velha Europa, as facções pró-europeias no parlamento, estão mais fortes do que antes e isso ajuda", afirma Robert Halver, chefe de estudo de mercado dos alemães do Baader Bank.

"O que está claro, porém, é que - como já falei - agora os políticos têm de tomar o destino da Europa nas próprias mãos e começar a mostrar à China e aos Estados Unidos que a Europa pode seguir o próprio caminho", acrescentou.

O dia fica também marcado pelo feriado nos mercados britânico e americano, que contribuiu para uma menor negociação dos títulos.

Apesar da vitória de grupos eurocéticos no Reino Unido, em França e em Itália, o equilíbrio de forças no Parlamento Europeu não sofreu grandes alterações.

Outras fontes • REUTERS

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Breves de Bruxelas": O "jogo das cadeiras" para liderar na UE

Produtores de champanhe votam a favor de colheitas mais pequenas, com vendas em queda

Como a falha global da Microsoft está a afetar as empresas em todo o mundo