Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Braço-de-ferro entre França e Alemanha

Braço-de-ferro entre França e Alemanha
Tamanho do texto Aa Aa

Há desacordo entre França e Alemanha sobre quem deverá ser o próximo presidente da Comissão Europeia. Apesar de o clima ser positivo, entre os líderes durante a cimeira do bloco forte europeu, em Bruxelas, as duas potências parecem não estar em sintonia quanto a quem deve assumir os principais cargos nas mais importantes instâncias europeias:

"A chave, é as pessoas que assumirão os cargos mais sensíveis partilharem o projeto e serem as mais carismáticas, inventivas e competentes. Esta noite concluímos que não havia automaticidade em relação ao "Spitzenkandidat"", afirmou Emmanuel Macron, chefe de Estado gaulês.

Mas a chanceler Angela Merkel é a favor do chamado "Spitzenkandidat", que empurra um candidato do maior grupo no parlamento para a liderança. Merkel terá tido dificuldade em aceitar o "não" de Macron ao legislador alemão de centro-direita, Manfred Weber, que ela apoia:

"É evidente que o Grupo do Partido Popular Europeu e dos Democratas Europeus continua a ser o grupo mais forte do Parlamento Europeu mas, ao mesmo tempo, é claro que também não há maioria no Parlamento Europeu, e agora cada um tem de decidir por si. Concordámos que não chegaríamos a uma decisão nesta sessão", adiantou Merkel.

Donald Tusk, no rescaldo das eleições Europeias da semana passada, lembrava as questões principais nesta corrida:

"Não tenho dúvidas de que uma das razões pelas quais as pessoas votaram, maioritariamente, em formações pró-europeias se deve também ao Brexit. Os europeus tiram as suas conclusões baseadas na forma como veem o que o Brexit significa, na prática. O Brexit tem sido uma vacina contra a propaganda anti-UE e contra as notícias falsas", tinha afirmado Tusk.

O braço-de-ferro, sobre quem deve assumir os cargos mais importantes na União Europeia, está longe de terminar, ainda que Tusk espere propor um novo nome, para cada cargo, em junho e tê-los aprovados, pelo novo Parlamento Europeu, em julho.