Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Palestinianos rejeitam plano Kushner para a paz

Palestinianos rejeitam plano Kushner para a paz
Direitos de autor
رويترز
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Funcionários palestinianos rejeitaram o plano de paz para o Médio Oriente proposto por Jared Kushner, genro e conselheiro do presidente Donald Trump.

O plano, que irá ser revelado em detalhe no Bahrein esta semana, prevê um pacote económico de 50 mil milhões de dólares para Gaza e os territórios palestinianos.

Uma destacada funcionária da OLP, Hanan Ashrawi, afirma que o plano consiste em "promessas abstratas" e que apenas uma solução política resolveria o conflito.

"O plano criaria um milhão de postos de trabalho na Cisjordânia e Gaza. A taxa de desemprego seria reduzida de cerca de 30% para menos de 10%. A taxa de probreza seria reduzida para metade, se tudo for implementado de forma correta. É um plano a dez anos, duplicaria o PIB deles", disse Jared Kushner, genro e conselheiro de Donald Trump.

Segundo o autor do plano, este concentra-se na economia e prosperidade das economias palestiniana e dos estados limítrofes. Os críticos apontam o dedo e dizem que este plano não oferece uma solução política.

"Na minha opinião, tudo o que eles dizem é falso. Se eles gerarem 50 mil milhões de dólares, vão decerto parar ao bolso de Kushner. Quanto aos projetos, irão sofrer atrasos e eles vão querer causar fraturas na posição árabe", afirma Abbas Zaki, do movimento palestiniano, Fatah.

Segundo funcionários norte-americanos que conhecem o plano de Kushner em mais detalhe, este descarta a solução de dois estados há muito preconizada como a via a seguir.

A Casa Branca defende o plano e diz que só mais tarde é que seria encontrada uma solução política.