A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Palestinianos rejeitam plano Kushner para a paz

Palestinianos rejeitam plano Kushner para a paz
Direitos de autor
رويترز
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Funcionários palestinianos rejeitaram o plano de paz para o Médio Oriente proposto por Jared Kushner, genro e conselheiro do presidente Donald Trump.

O plano, que irá ser revelado em detalhe no Bahrein esta semana, prevê um pacote económico de 50 mil milhões de dólares para Gaza e os territórios palestinianos.

Uma destacada funcionária da OLP, Hanan Ashrawi, afirma que o plano consiste em "promessas abstratas" e que apenas uma solução política resolveria o conflito.

"O plano criaria um milhão de postos de trabalho na Cisjordânia e Gaza. A taxa de desemprego seria reduzida de cerca de 30% para menos de 10%. A taxa de probreza seria reduzida para metade, se tudo for implementado de forma correta. É um plano a dez anos, duplicaria o PIB deles", disse Jared Kushner, genro e conselheiro de Donald Trump.

Segundo o autor do plano, este concentra-se na economia e prosperidade das economias palestiniana e dos estados limítrofes. Os críticos apontam o dedo e dizem que este plano não oferece uma solução política.

"Na minha opinião, tudo o que eles dizem é falso. Se eles gerarem 50 mil milhões de dólares, vão decerto parar ao bolso de Kushner. Quanto aos projetos, irão sofrer atrasos e eles vão querer causar fraturas na posição árabe", afirma Abbas Zaki, do movimento palestiniano, Fatah.

Segundo funcionários norte-americanos que conhecem o plano de Kushner em mais detalhe, este descarta a solução de dois estados há muito preconizada como a via a seguir.

A Casa Branca defende o plano e diz que só mais tarde é que seria encontrada uma solução política.