Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Investimento cultural pode combater desigualdades

Investimento cultural pode combater desigualdades
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A música pode ajudar a combater as desigualdades sociais, acreditam 12 artistas europeus e africanos que participaram num workshop, há dois meses, em Addis Abeba, na Etiópia.

Um documentário sobre o projeto MAISHA mostra o potencial de investimento no setor criativo, num continente onde falta apoio para os artistas ao nível do crédito, infraestruturas e mobilidade.

Um dos participantes deu o seu testemunho nas Jornadas Europeias do Desenvolvimento, em Bruxelas, onde o documentário foi exibido em estreia.

"Tentámos entender as diferenças entre nossas culturas, bem como aquilo que temos em comun, e compreendemos o poder da música. Eu tenho tentado usar a música como um instrumento para ajudar mulheres e crianças", disse o pianista Samuel Yirga, da Etiópia.

Investimento e estrutura permanente

África também é um mercado inexplorado para artistas europeus em vários domínios. O diretor de um coral clássico belga defende a criação de uma estrutura permanente, com financiamento adequado.

"Como é que se pode criar uma rede efetiva, que poderia ser financiada pela União Africana (UA) e pela União Europeia (UE), por forma a criar uma colaboração ou compromisso permanente? É preciso que haja uma boa rede se quisermos ter sucesso e sustentabilidade a longo prazo", afirmou Bernard de Launoit, presidente-executivo da Chapelle Musicale Reine Elisabeth, da Bélgica.

Com uma das populações que mais crescem no mundo, o mercado de trabalho africano precisa de criar 15 milhões de novos empregos, por ano.

O empreendedorismo cultural é uma das áreas que receberá bolsas do Centro de Cooperação da Juventude da UA-UE, com um orçamento de dez milhões de euros.

"A ideia é reunir todos os interessados no ecossistema do empreendedorismo cultural: os artistas, as organizações financiadoras, as pessoas que desenvolvem a capacitação e a formação. Estarão todos a contribuir para um evento, que decorrerá na Europa ou em África, para promover artistas e criar todo tipo de oportunidades", referiu Hatoumata Magassa, do Centro de Cooperação da Juventude da UA-UE.

Num continente onde o sistema educativo ainda é inacessível para muitos, a arte também desempenha um papel importante como ferramenta educacional informal das jovens gerações.