Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Multidão na "Gay Pride" de São Paulo

Multidão na "Gay Pride" de São Paulo
Direitos de autor
REUTERS/Nacho Doce
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Segundo a organização, desfilaram pela avenida Paulista três milhões de pessoas para aquela que dizem ser a maior parada LGBT do mundo. Podem não ter sido tantos, mas foram pelo menos várias centenas de milhares a participar na gay pride de São Paulo, incluindo celebridades como Mel C, das Spice Girls, que integrou um dos 19 trios elétricos que fizeram o percurso.

Para a drag queen Gervásia Bureau, "a importância é mostrar que existimos, temos força e não somos apenas pink money. Interiormente, levamos esta festa para o ano todo. Hoje é apenas uma amostra do que podemos mostrar".

Esta edição foi a primeira desde a chegada de Jair Bolsonaro ao poder. O presidente, conhecido pelas tiradas consideradas homofóbicas, foi o alvo preferido das palavras de ordem.

"É uma coisa natural do ser humano ter respeito e amor ao próximo. Isto tem de ser uma festa. Estamos aqui para defender essa causa e espero que, num futuro melhor, o Brasil tenha mais amor ao próximo", disse Ronaldo Rois, participante na parada.

Esta vigésima terceira edição do gay pride de São Paulo serviu também para celebrar a recente decisão do Supremo Tribunal Federal que criminaliza a homofobia e a coloca ao mesmo nível que o racismo. A parada deste ano teve como tema os 50 anos da revolta de Stonewall.