Última hora

Braço de ferro entre Sea Watch 3 e autoridades italianas sem fim à vista

Braço de ferro entre Sea Watch 3 e autoridades italianas sem fim à vista
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O braço-de-ferro entre o Sea Watch 3 e as autoridades portuárias italianas não tem fim à vista. Apesar de declarar que se encontra numa situação de urgência, o navio humanitário continua em mar alto.

Desde o resgate de 42 migrantes na costa da Líbia, a 12 de junho, já lá vão duas semanas e o navio humanitário continua à espera de autorização para entrar no porto de Lampedusa.

Esta quinta-feira foi divulgada a gravação de uma conversa entre Carola Rackete e as autoridades transalpinas onde a comandante do Sea Watch sublinha a urgência da situação em que se encontram e pede autorização para aportar. O pedido caiu em saco roto, as autoridades limitaram-se a perguntar se os passageiros tinham todos documentos.

Do outro lado do mundo, para participar no G20 em Tóquio, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, enviou uma mensagem clara:

"A comandante, que tomou esta decisão e que há dez dias mantém os passageiros naquela situação, agiu de uma forma que considero inacreditavelmente grave. Agora trata-se de algo que não deve preocupar o governo italiano mas sim os tribunais italianos."

A situação não é nova mas nem por isso se está mais próximo de encontrar uma solução. O ministro do Interior de Itália, Matteo Salvini, tem feito da luta contra a imigração ilegal um cavalo de batalha e já exigiu a detenção da comandante do navio. Não se ficou por aqui e para travar também a migração por terra, propôs a construção de uma barreira na fronteira com a Eslovénia.

Com mais ou menos barreiras, o certo é que o desespero continua a levar demasiadas pessoas a desafiar a morte rumo ao desconhecido.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.