Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Tenho 3 menores a bordo. Sinto-me responsável por eles"

Carola Rackete, a capitã do "Sea Watch 3", em declarações aos jornalistas
Carola Rackete, a capitã do "Sea Watch 3", em declarações aos jornalistas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Euronews teve acesso ao interior do "Sea Watch 3", a embarcação de bandeira holandesa que há duas semanas resgatou mais de 40 pessoas, que tentavam atravessar o Mediterrâneo, de África para a Europa.

O barco de socorro a náufragos forçou a entrada em águas italianas, mas foi bloqueado perto de Lampedusa pelas autoridades.

A capitã do "Sea Watch 3" assumuiu-se "preocupada" pelos passageiros que transportava no convés.

"Quando somos confrontados com um caso de resgate e recolhemos as pessoas a bordo... Tenho inclusive três menores a bordo. Sinto-me legalmente responsável por eles. O mais novo tem apenas 12 anos. Eles precisam de estar em segurança", sublinhou Carola Rackete.

A capitã pede "uma investigação". "Mas também espero que a justiça italiana perceba a situação e dê valor às vidas humanas e às leis marítimas. Não espero que venha a haver nenhuma condenação. Aliás, espero que nem venha a haver nenhum processo em tribunal", perspetivou a responsável pela embarcação.

Os migrantes foram recolhidos em zona marítima da responsabilidade da Líbia, de onde receberam permissão para desembarcarem em Tripoli. Mas eles não querem voltar, garantiu à Euronews um camaronês, de 29 anos, a bordo do "Sea Watch 3".

"Preciso de chegar à Europa porque no meu país a situação não é a melhor. Há uma crise política nos Camarões e mesmo na Líbia não foi fácil para mim. A Líbia não um local seguro", disse-nos o migrante no identificado.

A jornalista da Euronews que teve acesso ao interior do "Sea Watch 3", conta-nos que "a capitã e a equipa a bordo do 'Sea Watch 3' estão prontos para fazer tudo o que for possível para levar estes migrantes para um local seguro".

"Estas pessoas foram resgatadas a 12 de junho, ao largo da Líbia. As condições em que estão neste barco estão a tornar-se cada vez mais difíceis. A capitã garantiu-nos não ter medo de quaisquer consequências que possam resultar do que acontecer aqui em Itália com as autoridades. E sublinhou uma vez mais: não se pode brincar com as vidas humanas", conclui Giorgia Orlandi, a bordo do "Sea Watch 3", ao largo de Lampedusa, Itália.