Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Temíamos ser mandados de volta para a Líbia"

"Temíamos ser mandados de volta para a Líbia"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Khadim Diop tem 24 anos, veio do Senegal e afirma ser um dos migrantes desembarcados do Sea-Watch 3, mas a embarcação não tem a certeza que o senegalês veio a bordo dado não ter um manifesto dos que resgatou no Mar Mediterrâneo. A Euronews falou com ele. na ilha de Lampedusa, em Itália.

Euronews:Como foram os últimos dias a bordo do Sea-watch? Disseram-nos que não havia muita comida.

Khadim Diop: Não, não havia muita comida, só cuscuz. Muitas pessoas estavam doentes. Não foi fácil, mas aquela mulher, a capitã, deu-nos coragem, nunca desistiu e encorajou-nos. A única coisa que temíamos era sermos mandados de volta para a Líbia. Mas ela estava sempre a dizer-nos 'não, não se preocupem com isso, vocês não vão voltar'. Nós dizemos-lhe 'bravo!'. Foi muito atenciosa. A União Europeia deveria felicitá-la, encorajá-la, porque ela fez tudo o que podia. Mesmo quando os líbios foram buscá-la, ela resistiu. Houve até confrontos. Mas ela disse que não.

Euronews:E o que pensa das autoridades italianas e de Salvini? Sabe quem é?

K.D.: Sim, sei quem é. Ouvi-o na rádio. E, na verdade, ele tem um pouco de razão.

Euronews:Ele tem razão?

K.D.: Às vezes, sim, porque ele quer que a Europa partilhe, que a Alemanha faça a sua parte, que França faça a sua parte e os outros países também. os migrantes nâo podem ficar todos em Itália. Há um crise mundial, em todos os lugares, não é fácil para ninguém.

Euronews:Disse que foi vendido como escravo. Quantas pessoas estavam consigo? É algo recorrente no sítio de onde vem?

K.D.: É sistemático. Nós éramos mais de 300 pessoas, portanto é sistemático. Em Ben Whalid, todo a gente sabe disso. Lá o trabalho é esse, vender pessoas, vender os negros, mas não só os negros, também os egípcios, os tunisinos, todos. Escondem-te numa casa, numa casa isolada.,Trazem as pessoas uma a uma e colocam-nas numa sala com um telefone. Há fios elétricos por toda a parte. Eles chegam e dizem: 'liga à tua mãe!", "liga aos teu pais para mandarem dinheiro!". Se não o fizermos eles batem-nos, ou podem mesmo matar-nos. Tentamos dizer que não, que não fazemos isso, mas aí eles começam a bater-nos e nós acabamos por telefonar. Assim que alguém atende, metem-nos a corrente elétrica nos pés. Então, nós gritamos de dor. E quando gritamos, os nossos pais ficam com medo.

(Artigo atualizado no dia 1 de julho com as dúvidas do navio de resgate Sea Watch 3 sobre a presenças do jovem senegalês a bordo)