EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Capitã do Sea Watch 3 ouvida em tribunal

Capitã do Sea Watch 3 ouvida em tribunal
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ainda não foi formalmente acusada, mas enfrenta várias acusações e Matteo Salvini fala em "atos de resistência". Carola Rakete decidiu atracar o navio humanitário em Lampedusa, contra as ordens do governo italiano.

PUBLICIDADE

A capitã do Sea Watch 3 foi hoje ouvida em Tribunal, em Itália. Ainda não foi formalmente acusada, mas enfrenta várias acusações e Matteo Salvini fala em "atos de resistência". Carola Rakete decidiu atracar o navio humanitário em Lampedusa, contra as ordens do governo italiano; foi recebida com aplausos, mas agora enfrenta a justiça.

Carola Rakete chegou ao Tribunal de Agrigento para interrogatório. A capitã do navio humanitário Sea Watch 3, de nacionalidade alemã, de 31 anos, está a ser investigada por ajuda à imigração ilegal e por resistência a oficiais e a navios de guerra.

Segundo um dos advogados de defesa as acusações ainda não foram formalizadas, como o facto de ter apresentado resistência às autoridades e a violação de uma zona restrita de navegação.

A capitã atracou o navio de resgate de migrantes - sem autorização das autoridades - em Lampedusa, depois de 17 dias de espera no mar e depois de ter declarado o estado de emergência a bordo.

Tornou-se um símbolo da luta contra a política migratória de Matteo Salvini, foi recebida com aplausos por dezenas de pessoas no porto de Lampedusa, mas acabou por ser detida pelas autoridades.

Os promotores de Agrigento pedem a confirmação da ordem de prisão e a proibição de permanência em território italiano, depois do desafio às ordens do governo do país representado pelo vice-presidente e ministro do interior. Através do twitter Matteo Salvini, respondeu aos críticos da detenção da capitã alegando um " gesto de resistência".

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Heiko Maas, diz que a capitã do Sea Watch deve ser libertada, porque se tratou de ato humanitário e não criminoso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal decide hoje futuro de comandante do Sea Watch 3

Secas, desertificação, ondas de calor: a crise climática atinge duramente a Sicília

Liga de Salvini abandona grupo de Meloni no Parlamento Europeu. Há riscos para o governo italiano?