Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Perfil dos futuros líderes da UE

Perfil dos futuros líderes da UE
Direitos de autor
(Fotó: REUTERS/Piroschka Van De Wouw)
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ursula von der Leyen poderá ser a primeira mulher a presidir à Comissão Europeia.

A ministra de Defesa alemã não é uma estranha em Bruxelas, mas é apenas a segunda candidata ao lugar que nunca liderou um governo.

Tem, no entanto, excelentes credenciais para administrar a Comissão Europeia. Nasceu em Bruxelas, e além de alemão, fala inglês e francês. O seu pai participou na criação da Comissão Europeia em 1958.

Ursula pertence ao Partido Popular Europeu, a mesma família política de Jean-Claude Juncker ou Angela Merkel e que venceu as últimas eleições europeias.

Médica, entrou no mundo da política nos anos 2000 e integrou o governo de Angela Merkel em 2005 como Ministra da Família. Nos últimos anos, o seu mandato já como ministra da Defesa tem sido pontuado por alguns escândalos, mas nem isso impediu que emergisse como possível sucessora de Angela Merkel à frente do governo alemão. Agora poderá trocar Berlim por Bruxelas.

Charles Michel

Considerado por muitos como um criador de consensos, o ex-primeiro-ministro belga, Charles Michel, terá agora uma boa oportunidade para testar as suas capacidades e conseguir o apoio dos estados membros para ser eleito como novo presidente do Conselho Europeu.

Em 2014, o líder liberal conseguiu formar um governo de coligação que, pela primeira vez em vinte e cinco anos, deixou de fora o Partido Socialista Francófono.

O seu governo ficou marcado por políticas anti-imigração implementadas por um dos parceiros de governo, o partido nacionalista Nova Aliança Flamenga. Um assunto que provocou a queda do Executivo e a demissão de Charles Michel em dezembro do ano passado. Se aprovado, o ex-governante belga vai assumir o cargo de Presidente do Conselho Europeu no final do mandato do checo Donald Tusk, a um de dezembro deste ano.

Christine Lagarde

Outra das nomeadas mais conhecidas é a francesa Christine Lagarde, a até agora diretora do Fundo Monetário Internacional.

Em 2011, a advogada tornou-se na primeira mulher a liderar o FMI, depois de ter sido ministra das Finanças de França.

Ao longo da sua carreira, tem estado envolvida nalgumas polémicas. Como quando disse aos gregos para pagarem os seus impostos a meio da grave crise financeira que afetou o país ou por ter sido culpada de negligência num caso entre o Estado francês e o empresário Bernard Tapie.

Ainda assim, tem sido uma pioneira. Foi a primeira ministra das Finanças de uma economia dos G8, o grupo dos oito países mais industrializados do mundo, a primeira a liderar o FMI, falta agora confirmar se sucede ao italiano Mario Draghi e se torna também na primeira mulher a liderar o Banco Central Europeu.

Josep Borrel

Falta ainda falar sobre o possível sucessor de Federica Mogherini como Alto Representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell.

O atual ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros, tem 72 anos, e é bem conhecido da política europeia, já que presidiu ao Parlamento Europeu entre 2004 e 2007.

A carreira política deste engenheiro aeronáutico passou também por ser Ministro das Obras Públicas e Transportes de Espanha durante os anos noventa.

Nascido no município catalão de La Pobla de Segur, é uma das vozes mais críticas à tentativa de secessão da Catalunha em 2017. Se o Parlamento aprovar a escolha, o socialista Borrell será também vice-presidente da Comissão Europeia.