Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Reciclagem de metais representa metade das necessidades europeias

Reciclagem de metais representa metade das necessidades europeias
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O projeto europeu Sims (Sustainable Intelligent Mining Systems) está a desenvolver as bases da mina do futuro, mais segura e menos poluente.

Face ao aumento da procura de metais e minérios, a iniciativa visa criar as condições para relançar a atividade mineira na Europa, adaptando-a às exigências do mundo atual, nomeadamente ao nível do ambiente e da segurança dos trabalhadores.

A euronews entrevistou Jenny Greber, professora de Engenharia de Minas da Universidade de Tecnologia de Lulea. Para Jenny Greber, a reciclagem é fundamental mas é preciso também explorar minas na Europa.

"Para sermos sustentáveis no futuro precisamos de muitos metais e minerais. Por exemplo, para fabricar um carro elétrico movido a bateria, em relação a um carro a gasóleo, é preciso uma quantidade de cobre quatro vezes superior. Para atingir as metas de sustentabilidade global, precisamos de soluções baseadas em metais. Por isso, haverá uma procura crescente de minérios e metais no futuro. E para produzi-los de uma maneira adequada, sem destruir o ambiente, sem causar problemas às pessoas e à sociedade, precisamos de novas tecnologias, explicou a investigadora que integra o projeto europeu Sims.

Reciclagem representa metade das nossas necessidades

"É claro que podemos reciclar tudo o que usamos. Mas, mesmo se reciclarmos todos os metais e minérios usados, isso só responderá a metade de nossas necessidades. Por isso, precisamos de minas. E, para extrair minérios da melhor maneira possível, é fundamental termos tecnologias. Na Europa, consumimos atualmente cerca de 20% dos metais e minérios do mundo, mas, produzimos apenas 3% desses materiais. Por isso, precisamos de produzir mais para responder às nossas necessidades", concluiu a investigadora sueca.