Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Trabalhistas britânicos querem segundo referendo

Trabalhistas britânicos querem segundo referendo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Partido Trabalhista britânico afirma que vai pressionar o próximo líder dos Conservadores no sentido de realizar um novo referendo antes da saída do Reino Unido da União Europeia prevista para o dia 31 de outubro.

O líder trabalhista, Jeremy Corbyn, afirma que o partido vai apoiar a permanência do país bloco.

No entanto, alguns críticos afirmam que Corbyn não deixou claro que caminho tomaria caso viesse a tornar-se primeiro-ministro.

"O Partido Trabalhista quer evitar uma situação de ausência de acordo e quer dar às pessoas a oportunidade de escolherem permanecer na União Europeia ou aceitarem o que será uma situação desastrosa de ausência de acordo com a UE e as consequências sobre os preços dos alimentos, fornecimentos de medicamentos e investimentos na indústria", disse o líder trabalhista.

Em declarações à euronews, um dos principais peritos britânicos em lei e política diz que no passado Corbyn foi criticado por estar do lado dos eurocéticos e agora defende a continuação do Reino Unido na União Europeia.

"Para os Trabalhistas é importante regressarem às bases e dizerem que deram a oportunidade ao governo de proteger os postos de trabalho e de apresentar um acordo favorável a todos.
O facto é que o acordo de Theresa May não goza de apoio público nem do parlamento. Ausência de acordo é ainda menos popular a nível público do que a nível parlamentar. Essas são as duas únicas opções que os Conservadores oferecem", adianta Thomas Brooks, professor de Direito e Governo da Universidade de Durham no Reino Unido.

Em fevereiro passado, Corbyn escreveu à então primeira-ministra, Theresa May, exigindo cinco alterações na política do Brexit sem contudo mencionar a realização de um voto popular.

Em março, por ordem de Corbyn, os deputados trabalhistas abstiveram-se na votação de uma emenda legislativa a qual abria caminho a um segundo referendo.