A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Ativistas lançam protestos de Verão pelo Clima

Ativistas lançam protestos de Verão pelo Clima
Direitos de autor
REUTERS/Henry Nicholls
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Londres, Glasgow, Bristol, Cardiff e Leeds: com tambores nas mãos e ações não violentas, jovens ativistas do movimento social Extinction Rebellion lançaram uma campanha de protestos em cinco grandes cidades do Reino Unido em prol do combate contra as alterações climáticas.

Uma manifestante diz que tem receio "em ter filhos" e "pelo próprio futuro".

Bloqueio de estradas, pontes, parques ou monumentos fazem parte do programa das manifestações e os contestatários destacam o caráter de urgência.

Liam Geary Baulch, um dos organizadores do protesto, frisa que "é uma emergência e é necessária uma resposta urgente. Durante a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, as pessoas uniram-se e juntaram recursos para resolver os problemas. Agora é preciso fazê-lo, porque se trata da maior ameaça existencial que a humanidade enfrenta".

Os habitantes de Londres parecem recetivos à mensagem dos manifestantes, embora não concordem totalmente com a forma da contestação.

Uma londrina diz perceber "o que eles estão a tentar fazer. Estão a tentar obter atenção, porque se sentem frustrados. Sentem que não são ouvidos. Há um elemento de verdade nisso, mas também há um equilíbrio e perturbar o quotidiano das pessoas [é algo que] deixa perceber porque é que algumas pessoas também não estão contentes com isso".

Outro afirma que "o maior desafio para eles é chegar aos grandes países, que não fazem nada. Deviam acampar em frente às suas embaixadas e protestar aí. Nesse caso, contariam com 100 por cento do meu apoio".

Os manifestantes estão acampados num parque junto à gare de Waterloo, em pleno centro de Londres, a curta distância do Palácio de Westminster. Um acampamento ilegal, mas que até ao momento é tolerado pelas autoridades.

Os ativistas pedem ao governo britânico que se comprometa com a meta de zero emissões de carbono até 2025, em vez do prazo já assumido para 2050.