A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Oposição espanhola ameaça votar contra investidura de Sánchez

Oposição espanhola ameaça votar contra investidura de Sánchez
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Quase três meses depois de uma vitória sem maioria, Pedro Sánchez chegou ao parlamento para um discurso de investidura sem garantias de que será o próximo primeiro-ministro de Espanha. Uma prova de fogo, em que o líder socialista começou por apresentar o futuro executivo como "um governo progressista, um governo europeísta e também um governo ecologista e feminista", fazendo do "emprego digno, numa economia competitiva sustentável, garantindo pensões decentes, salvaguardando o sistema público de pensões" um dos pilares da legislatura a que se propõe.

A mão estendida à esquerda surge na sequência de um percurso sinuoso com o Podemos. O partido liderado por Pablo Iglesias predispôs-se desde as legislativas a uma coligação com o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e era visto como o aliado mais provável de governo.

No entanto, o líder socialista tem afastado esse cenário ao alegar divergências incontornáveis. Desta vez, Sánchez optou por deixar a Catalunha de fora do discurso.

"Estamos a comprovar que não é fácil chegarmos a um ponto de encontro. Mas nada que mereça a pena é fácil. E o que temos pela frente merece muito a pena. Temos nas nossas mãos a esperança de milhões de compatriotas. Cabe-nos trabalhar para chegarmos a acordo e depois teremos a possibilidade de concretizar tudo aquilo em que coincidimos, tudo o que nos une. E o que nos une resume-se em muito poucas palavras. O que nos une é a promessa da esquerda: um progresso ecologicamente sustentável e a distribuição justa desse progresso. Ou, de outra maneira, se preferirem: uma sociedade de homens e mulheres livres e iguais em harmonia com a natureza", afirmou o líder socialista.

Pouca harmonia viu-se sobretudo quando chegou a vez de a oposição falar. Os líderes do Partido Popular e do Ciudadanos criticaram a ausência de referências à Catalunha e ameaçaram votar contra a investidura de Pedro Sánchez, impossibilitando-o de formar governo.

Caso não reúna os votos necessários, o líder do PSOE terá oportunidade de ir uma segunda votação. Se não for eleito, Espanha terá de ir novamente às urnas.