EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Turismo aumenta em Chernobyl

Turismo aumenta em Chernobyl
Direitos de autor 
De  Natalia LiubchenkovaEuronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O local do maior desastre nuclear do mundo está a atrair curiosos e a criar oportunidades de turismo. A Euronews foi conhecer um pouco deste fenómeno.

PUBLICIDADE

O caminho de regresso à casa de infância mudou muito para Rodion Luka. Hoje, em Prypyat, é sobretudo um turista. Mas há pouco mais de 30 anos vivia nesta cidade, a dois quilómetros de Chernobyl.

Depois da explosão na central nuclear, em 1986, Prypyat ficou dentro de um perímetro de segurança, uma zona que foi evacuada e que, de acordo com os cientistas, será inabitável nos próximos 20 mil anos. Aquilo que outrora foram ruas e habitações são hoje uma floresta capaz de trocar as referências à memória de Luka. Até ao momento em que encontra as janelas do apartamento onde viveu até aos 10 anos.

"Lembro-me de tudo tal como está, mas, ao mesmo tempo, olhamos para tudo isto... é impossível que um prédio como este estivesse numa floresta", conta.

Luka decidiu regressar a Prypyat como turista. No entanto, as agências de turismo dizem que a maioria dos clientes são estrangeiros.

A zona de exclusão de Chornobyl foi aberta aos visitantes no início dos anos 2000, depois do trabalho da central nuclear ter sido completamente interrompido. Desde então, o turismo no epicentro do desastre nuclear tem sempre crescido.

Depois da série da HBO sobre o desastre de Chernobyl ter sido emitida, a cidade ganhou uma nova vida, com a procura de muitos curiosos. Uma boa notícia para a Associação dos Operadores Turísticos de Chernobyl, que espera ver o local tornar-se património mundial da UNESCO. Os turistas podem entrar na zona de exclusão para passeios de um ou dois dias, com a opção de dormir num hotel durante a noite. Uma excursão de caiaque está também a ser programada. E os visitantes têm já pontos de eleição.

"Definitivamente, o Radar Douga 1, porque ninguém sabe que está lá e muita gente se surpreende ao vê-lo ali.. E, claro, a cidade de Prypyat, porque é difícil imaginar que aquilo que costumava ser uma cidade é agora uma selva, uma floresta, daí achar que é o sítio mais impressionante para as pessoas", revela a guia turística Elena Alekseienko.

Os guias garantem que as doses de radiação a que os turistas são expostos durante a visita são equivalentes às de uma hora passada numa viagem de avião. À saída, o controlo é obrigatório e ninguém tem permissão para sair até que um aparelho indique que está tudo bem.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chernobyl quer ser património da Unesco

Três torres de uma central nuclear demolidas em Inglaterra

Ucrânia: Reactor 4 de Chernobyl já tem novo sarcófago