A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Protestos quase bloqueiam aeroporto de Hong Kong pelo segundo dia

Protestos quase bloqueiam aeroporto de Hong Kong pelo segundo dia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O aeroporto de Hong Kong esteve, pelo segundo dia consecutivo, praticamente bloqueado por causa dos protestos pró-democracia, que desde há vários dias elegeram este local, essencial para o turismo e para os negócios do território, como palco principal. Os manifestantes envolveram-se em confrontos com a polícia e há vários feridos. Grupos ergueram barricadas para impedir os passageiros de chegar aos terminais. Estas e outras ações levaram à anulação de centenas de voos, o que deixou dezenas de milhares de passageiros em terra. Segunda-feira, o aeroporto chegou a anular todos os voos de partida.

Esta onda de contestação começou com a lei que previa a extradição, praticamente sem barreiras, de pessoas procuradas na China continental. Mesmo depois de adiada a medida, continuaram os protestos pela democracia e por uma total autonomia em relação à China.

"A Alta Comissária Michèle Bachelet pede às autoridades e ao povo de Hong Kong que se envolva num diálogo aberto e inclusivo, com o objetivo de resolver todos os assuntos de forma pacífica. É isso apenas que pedimos: diálogo", disse o porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Rupert Colville.

Também os trabalhadores de um dos principais hospitais de Hong Kong se manifestaram contra a violência policial. A Chefe do Governo, Carrie Lam, já disse que o território corre o risco de ser esmagado. Enquanto isso, a China concentra tanques de guerra numa zona junto à fronteira.