A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Itália: Coligação pode estar para breve

Itália: Coligação pode estar para breve
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Poderá estar para breve um fim para a crise política em Itália.

O primeiro dia de negociações entre o "Movimento 5 Estrelas" e do Partido Democrático, para formar uma nova coligação governativa, terminou, esta sexta-feira com os líderes dos dois partidos a saírem otimistas e a revelar que há afinidades.

"Este é um bom começo, uma ampla convergência que pode acabar num trabalho sobre a lei orçamental. Este trabalho pode começar nas próximas horas. Esta é uma nota positiva", afirmou o líder do Partido Democrata, Graziano Delrio.

O Partido Democrático terá aceitado, condicionalmente, a proposta do "Movimento 5 Estrelas" relativa à redução do número de deputados no Parlamento.

Itália corre contra o tempo. O país tem até 27 de agosto para formar um novo Governo caso contrário, serão convocadas eleições antecipadas, como sublinha a enviada da euronews a Roma, Elena Cavallone.

"Cinco dias para tentar ter êxito no que, há poucos dias, parecia impossível: uma aliança entre o "Movimento 5 Estrelas" e o Partido Democrático. Dois partidos que, durante anos, mostraram opiniões divergentes sobre como governar o país e sobre a Europa. As apostas são altas e as duas forças políticas têm muito a perder se o país for às urnas. Mas uma coligação para bloquear a Liga de Salvini precisa que ambos façam concessões, o que poderia fragmentar ainda mais os partidos internamente. As políticas sociais e as questões ambientais podem representar uma base comum, mas divergem nas reformas constitucionais e nas políticas económicas. O relógio está a contar e os prazos europeus são apertados, começando pela designação do Comissário Europeu e pela aprovação da lei orçamental. Qualquer atraso na criação de uma nova equipa de Governo poderia impedir a Itália de se manifestar num momento crucial para fazer ouvir a sua voz na Europa".