EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Elon Musk convidado para a festa de fantasia de Giorgia Meloni

Elon Musk vai estar presente na festa de fantasia "Atreju" de Giorgia Meloni, em Roma, este fim de semana.
Elon Musk vai estar presente na festa de fantasia "Atreju" de Giorgia Meloni, em Roma, este fim de semana. Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Giulia Carbonaro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Elon Musk e Santiago Abascal, líder do partido espanhol VOX, foram convidados para o evento.

PUBLICIDADE

Em 1998, Giorgia Meloni não era uma figura muito conhecida na política italiana. Mas como chefe da secção de Roma da Azione Giovani (a secção juvenil do extinto partido Alleanza Nazionale), criou um evento dedicado a celebrar a juventude conservadora do país.

O evento foi batizado de Atreju, por Meloni, em homenagem a Atreyu, uma das personagens principais do filme de 1984 "The NeverEnding Story".

Para aqueles que já conhecem a "obsessão" de Meloni pelo género da fantasia, este nome não será surpreendente. Nem o facto de ter tido a ideia de criar o Atreju depois de ter participado no Hobbit Camp, na década de 1990, um retiro semelhante a Woodstock, organizado pelo Movimento Social Italiano, partido pós-fascista, para jovens, para celebrar os livros de J.R.R. Tolkien.

Mas esta edição do festival de fantasia de direita, que começou ontem e termina este domingo, e é apoiada pelo partido de Meloni, será diferente das anteriores.

Em primeiro lugar, Meloni já não está à margem da política italiana, mas sim no topo. Em segundo lugar, o novo papel de Meloni permitiu-lhe atrair algumas estrelas convidadas de alto nível para o seu evento com o tema da fantasia, incluindo o bilionário da tecnologia Elon Musk e o líder do partido populista espanhol Vox Santiago Abascal.

De que trata o festival?

De acordo com Piero Garofalo, professor de Estudos Italianos na Universidade de New Hampshire, nos Estados Unidos, o Atreju é "menos uma convenção política do que um evento político partidário". O festival, que este ano terá uma aldeia de Natal e uma pista de gelo, apresenta concertos, exposições, debates e humor orientados para os jovens e centra-se mais no convívio do que na política.

O tema da edição deste ano é 'Bentornato orgoglio italiano (Bem-vindo orgulho italiano), um título que está perfeitamente em linha com o manifesto eleitoral e mantra constante de Meloni. E embora o evento tenha mantido a sua tradicional natureza social e jovial, a sua importância política é inegável este ano.

"Hoje, com a ascensão política de Giorgia Meloni e os recentes sucessos eleitorais dos Irmãos de Itália, o Atreju ganhou uma importância crescente, atraindo convidados de alto nível - como o primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán, o conselheiro de Donald Trump, Steve Bannon - e a atenção dos meios de comunicação social", disse Garofalo à Euronews.

"O festival serve agora como uma plataforma para mostrar a estatura internacional de Giorgia Meloni e a integração da direita italiana na comunidade internacional", acrescentou.

Quem vai estar presente?

Entre os convidados mais proeminentes, encontram-se Elon Musk, o primeiro-ministro albanês Edi Rama e o líder espanhol do partido de extrema-direita Vox, Santiago Abascal.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, "que partilha com Giorgia Meloni abordagens pouco ortodoxas para lidar com o afluxo de migrantes, irá aparentemente encontrar-se com a primeira-ministra Meloni no sábado de manhã, durante o festival, mas não necessariamente no festival", refere Garofalo.

De acordo com Garofalo, a participação no Atreju não significa automaticamente solidariedade ou apoio a Giorgia Meloni. "Por exemplo, vários líderes de partidos da oposição, como Matteo Renzi, Carlo Calenda, Angelo Bonelli e Michele Emiliano, também vão participar no festival, na esperança de atrair votos e de se tornarem relevantes.

"De facto, a participação assinala a importância e a visibilidade crescentes que a plataforma Atreyu proporciona aos oradores. Dito isto, para além dos participantes, que provavelmente ultrapassarão os 100.000, e da extensa cobertura mediática (devido em grande parte aos convidados proeminentes), o Atreju não é um evento seguido com particular interesse pelo público em geral, embora seja certamente o centro das atenções durante esta semana", acrescentou.

A Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, recusou o convite de Meloni para o festival.

O que é que se passa com "The NeverEnding Story"?

A versão italiana do nome Atreyu é uma homenagem ao guerreiro dragão protagonista do romance de fantasia alemão de 1979, "The NeverEnding Story", de Michael Ende, explica Garofalo.

PUBLICIDADE

O romance tornou-se um êxito de Hollywood em 1984 e rendeu mais de 100 milhões de dólares nas bilheteiras mundiais. Foi particularmente bem sucedido na Alemanha, onde cinco milhões de pessoas acorreram ao cinema para ver o filme épico de fantasia, que apresentava efeitos especiais inovadores na altura.

"Este nome foi escolhido porque, para os organizadores do evento, a personagem de fantasia representa a juventude empenhada que, na eterna batalha entre o bem e o mal, resiste ao niilismo para preservar os ideais", afirma.

"The Neverending Story" e Atreyu estão longe de ser os primeiros romances de fantasia e heróis que Meloni guardou para o seu uso político. Durante a sua longa carreira, mencionou frequentemente "O Senhor dos Anéis" de J.R.R. Tolkien, que foi objeto de uma grande exposição em Roma este ano.

Entre os ídolos de fantasia de Meloni, contam-se também a série "Game of Thrones" de George R.R. Martin e a personagem de manga e pirata espacial Captain Harlock.

PUBLICIDADE

Jogar com uma velha tradição

"O fascínio e a apropriação do género de fantasia pela extrema-direita pós-fascista é anterior a Giorgia Meloni e surge como um fenómeno reconhecível na Itália dos anos 70", explica Garofalo. "Os nacionalistas italianos posicionavam-se como uma pequena irmandade de detentores da verdade que se opõe a uma força ofuscante esmagadora que envolve a sociedade."

De acordo com Garofalo, as narrativas de fantasia fornecem oposições vívidas e rejeições do mundo moderno, retratando "como nobres as lutas das sociedades tradicionais para preservar um passado idealizado contra as ameaças de mudança encarnadas por forças externas".

Neste contexto, a apropriação por Meloni do simbolismo da fantasia no discurso político insere-se nesta tradição "precisamente porque fornece uma justificação teleológica para ações políticas cujos efeitos imediatos não são reconhecidamente relacionáveis com objectivos a longo prazo", diz Garofalo.

"Quando o símbolo é real, o resultado final é real. Como afirmou Giorgia Meloni: 'Não considero O Senhor dos Anéis uma fantasia'."

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Salvini junta principais representantes da extema-direita europeia

Secas, desertificação, ondas de calor: a crise climática atinge duramente a Sicília

Liga de Salvini abandona grupo de Meloni no Parlamento Europeu. Há riscos para o governo italiano?