A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Documentário denuncia escândalo hospitalar na Roménia

Documentário denuncia escândalo hospitalar na Roménia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O documentário romeno "Collective" teve a estreia mundial no Festival de Cinema de Veneza. O filme do realizador Alexander Nanau tem como ponto de partida o incêndio na discoteca com este nome, em 2015, que matou 64 pessoas. Nanau mostra tudo o que falhou na gestão desta tragédia. 37 dos feridos, que não tinham lesões fatais, acabaram por morrer nos hospitais, devido a infeções por germes.

"Penso que o maior desafio foi encontrar um equilíbrio, porque temos três enredos. Temos jornalistas; cidadãos, que são também vítimas do incêndio, e pais daqueles que morreram no incêndio; e temos o Estado, o sistema. E o que o filme faz é pura observação. Portanto, trata-se de "cinema verdade", que mostra o que se passa por trás das portas fechadas das redações, do Ministério da Saúde, e que é bastante próximo e íntimo com os cidadãos comuns", realça o realizador, Alexander Nanau.

"Claro que toda a gente no ministério não queria que nós filmássemos, mas eu tive muita sorte, porque conheci um novo ministro da Saúde, que não assumiu o cargo pelo poder ou pela política. Ele era mais ou menos um ativista paciente. A história é como um thriller da vida real, com jornalistas, Estado e cidadãos. Por isso, acho que não se trata de um cliché, mas mostra que há uma grande divisão na sociedade atual, como em todas as sociedades europeias, entre as pessoas e o poder e o preconceito que as pessoas têm sobre a Roménia pode ser apenas aplicado aqueles no poder", sublinha Nanau.

O filme segue a luta dos jornalistas e familiares das vítimas para descobrir a verdade sobre este escândalo hospitalar, depois de um médico ter feito a denúncia a uma equipa de repórteres de investigação. Apesar da estreia no Festival de Cinema de Veneza, o filme não integra a competição. O documentário também foi selecionado para o Festival de Cinema de Toronto.