A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

David Cameron: "Boris só apoiou o Brexit para visibilidade política"

David Cameron: "Boris só apoiou o Brexit para visibilidade política"
Direitos de autor
Chris J Ratcliffe/Pool via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

David Cameron quebrou o silêncio em relação ao Brexit, em relação ao cenário político do Reino Unido na altura do referendo, em 2016, e a muitos outros temas, num livro de memórias.

Depois de anunciar o lançamento do "For the Record", o ex-primeiro-ministro revelou, ao The Sunday Times, algumas passagens do livro que só sai a público no dia 19 de setembro.

David Cameron chamou Boris Johnson de "mentiroso" e disse que o atual primeiro-ministro britânico não acreditava no referendo, na altura, e só o apoiou para obter visibilidade política.

"Boris Johnson não acreditava no Brexit e apoiou a campanha de saída apenas para ajudar sua carreira política", escreve Cameron no "For the Record".

Quanto ao referendo, a decisão política que acabou por afásta-lo do cargo de primeiro-ministro - por opção do próprio - Cameron diz-se arrependido do resultado do referendo mas não do referendo em si.

David Cameron revela que ficou "extremamente deprimido" com o resultado e está "verdadeiramente arrependido" pela turbulência política que desencadeou, admitindo que a sua abordagem "falhou".

"Na questão central sobre se era certo renegociar o relacionamento do Reino Unido com a UE e dar às pessoas a hipótese de opinar, na minha opinião, é de que essa era a abordagem correta a ser adotada", escreve o político.

David Cameron escreveu ainda que sabe que há muitas pessoas que nunca o irão perdoar por ter desencadeado o referendo de 2016.

"Sei que algumas pessoas nunca me vão perdoar por ter organizado um referendo. Outras por tê-lo organizado e perdido. Há ainda, claro, pessoas que queriam um referendo e que queriam sair que estão contentes que a promessa feita tenha sido mantida", declarou o ex-chefe do governo do Reino Unido.

No livro, o ex-primeiro-ministro diz que não acredita num Brexit sem acordo e admite a possibilidade de uma nova votação para que o impasse fique resolvido.

David Cameron foi primeiro-ministro do Reino Unido entre 11 de maio de 2010 e 13 de julho de 2016, altura em que se demitiu e deu lugar a Theresa May.

Brexit foi o assunto que mais marcou o mandato de David Cameron, mas o livro aborda mais temas, como por exemplo, a relação que ex-primeiro-ministro tinha com Michael Gove e com outros membros do governo; o primeiro encontro com a Rainha de Inglaterra e, temas mais íntimos, como a morte do filho, em 2009.

O livro, com um nome "For the record" vai ser lançado esta quinta-feira. Até lá, as negociações do Brexit continuam. Boris Johnson vai reunir com o presidente da Comissao Europeia, Jean-Claude Juncker no Luxemburgo, esta segunda-feira, para tentar alcançar um acordo de saída antes do 31 de outubro.