Extrema-direita encerra três dias de encontro em Itália

Extrema-direita encerra três dias de encontro em Itália
De  Joao Duarte Ferreira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O encontro contou pela primeira vez com a presença de um chefe de governo estrangeiro, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán

PUBLICIDADE

Em Itália terminou este domingo o encontro do partido de extrema-direita Fratelli d'Italia.

O encontro reuniu figuras da direita conservadora italiana e europeia. Destaque para a presença do primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán. A direita conservadora espanhola também esteve presente.

"A direita tem uma boa oportunidade nestes 5 anos de parlamento europeu de mudar o equilíbrio de forças que temos agora. Alguém na Alemanha terá que decidir nos próximos anos se a CDU quer permanecer um governo de esquerda ou se querem criar um governo conservador com a direita do AFD. Este tipo de decisões terão que ser tomadas", afirma Hermann Tertsch, vice-presidente do grupo Conservadores e Reformistas Europeus e membro do partido esapnhol, Vox.

Para além do primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, o evento contou com a presença de Antonio Tajani do partido Forza Italia e antigo presidente do Parlamento Europeu.
Tajani recordou que o problema da imigração requer uma abordagem europeia e não nacional.

"A imigração é uma questão que tem que ser resolvida a nível europeu. Não é uma questão nacional, nem sequer é uma questão de portos abertos ou fechados, ou barcos de ONGs...
Ou temos uma estratégia de longo prazo ou continuamos a olhar para o lado... mesmo com portos fechados, os barcos pequenos continuam a chegar...", disse Tajani.

Segundo a jornalista da euronews em Roma, Giorgia Orlandi, tratou-se de um evento que já vai na 22ª edição e que pela primeira vez acolheu um chefe de governo estrangeiro, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban. O convite teria vindo da presidente do partido "Fratelli d'Italia", Giorgia Meloni. A jornalista adianta que o encontro serviu para dar um novo fôlego à direita mas também para apresentar uma imagem de união.

Segundo Orlandi, se em Itália a oposição se apresenta unida contra o governo de coligação atual, a nível europeu as divisões mantêm-se. Não é apenas a Lega de Salvini e os Fratelli d'Italia que integram diferentes grupos parlamentares, mas o próprio Viktor Orbán, ele próprio um símbolo de soberania, prefere permanecer, de momento, no seio do Partido Popular Europeu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Salvini promete regressar "rápido" ao poder

Saxónia e Brandeburgo: terreno fértil para a extrema-direita

Extrema-direita no PE batiza-se Identidade e Democracia