A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Johnson apresenta plano a Bruxelas e discursa no congresso dos conservadores

Johnson apresenta plano a Bruxelas e discursa no congresso dos conservadores
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Boris Johnson, "o Europeu". Foi assim que o primeiro-ministro britânico se apresentou, ao som dos The Who, no discurso de encerramento do congresso do Partido Conservador britânico, em Manchester.

Johnson quis frisar que vai negociar um novo acordo para o Brexit e que a saída da União Europeia não é um ato contra a Europa: "Não somos um país antieuropeu. Somos europeus. Adoramos a Europa. Eu, pelo menos, adoro a Europa", disse o primeiro-ministro.

As propostas de Johnson foram já apresentadas às instâncias comunitárias: "Hoje, em Bruxelas, estão na mesa o que eu acredito serem propostas construtivas e razoáveis que representam um compromisso para ambas as partes. Não vai haver controlos na ou perto da fronteira na Irlanda do Norte. Respeitamos o processo de paz e os acordos da Sexta-feira Santa", acrescentou Johnson.

O novo plano apresentado a Bruxelas tem várias modificações em relação ao de Theresa May, incluindo alternativas ao chamado backstop.

Johnson fez questão de preparar os britânicos para a possibilidade de um Brexit sem acordo: "Vamos permitir que o Reino Unido, na sua totalidade, saia da União Europeia e tenha, desde o início, controlo sobre a política comercial. Não tenhamos dúvidas sobre qual é a alternativa. A alternativa é um Brexit sem acordo. Esse é um resultado que não queremos. Não procuramos este resultado mas deixai-me dizer-vos, meus amigos, que é um resultado para o qual estamos prontos".

As propostas apresentadas por Boris Johnson incluem, segundo o Daily Telegraph, um plano de transição de quatro anos para a fronteira da Irlanda do Norte. O plano foi já alvo de várias críticas e não será fácil convencer os outros líderes europeus.