Última hora

Partido Conservador britânico, um partido dividido

Partido Conservador britânico, um partido dividido
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar de ser um dos partidos tradicionais da política britânica, o Partido Conservador encontra-se dividido há anos. E no centro das divisões está a Europa.

Muitos conservadores, em particular nas áreas rurais e menos abastadas, vêm a União Europeia como uma interferência na forma tradicional de vida britânica.

Entre vários fatores conta-se a imigração assim como o que é visto como a imposição de leis e regulamentos não desejados.

Mas as divisões no seio dos conservadores são quase tão antigas quanto o lugar do Reino Unido da União Europeia.

Quando o antigo primeiro-ministro David Cameron não conseguiu extrair concessões da União Europeia, um referendo realizado em 2016 determinou um futuro fora do bloco.

Desde então que os conservadores assumiram como missão o cumprimento desta decisão.

No entanto, isto colocou o partido em rota de colisão com partes significativas do eleitorado.

No início, Theresa May optou por adotar uma abordagem suave mas a rejeição do acordo de saída pelo Parlamento britânico levou à sua queda.

A chegada de Boris Johnson significou uma viragem à direita e um Brexit designado como "duro".

No entanto, longe de resolver problemas, isto acabou por criar outro problema, o próprio futuro do Reino Unido.

Muitos escoceses reclamam a independência e pairam igualmente questões sobre a Irlanda do Norte.

Os Conservadores que entretanto se uniram aos Unionistas podem ter pela frente a difícil tarefa de preservar a integridade da União.

O partido do empreendedorismo, dos impostos baixos e da criação de riqueza mantém há anos uma política de austeridade e crescimento económico. Mas também são acusados de venderem bens públicos como é o caso do Serviço Nacional de Saúde ignorando os reformados e a classe trabalhadora.

Era hábito dizer que na hora de votar, os britânicos pensavam na libra mas na era do Brexit, a economia já não garante acesso a Downing Street.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.