A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Kuduro, música angolana seduz o mundo

Kuduro, música angolana seduz o mundo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O kuduro começou nas ruas da periferia de Luanda e está a conquistar o mundo inteiro.

Mais do que um estilo musical e de dança, o kuduro é um estado de espírito recheado de energia positiva. A euronews passou um fim de semana em Luanda para explorar a energia do kuduro. Visitámos o bairro de Sambizanga, na companhia de Tony Amado, conhecido como o rei do kuduro.

"Inspirei-me num filme do Jean-Claude Van Dam, onde ele está a fazer uma cena embriagado. Então fiz a música 'Ambakuduro'. O projeto cresceu. Os fazedores de kuduro são, na maioria, pessoas da periferia que cantam para atingir um nível social alto", contou Tony Amado.

O entusiasmo pelo kuduro está igualmente presente no bairro de Zango IV. Muitos jovens mostraram à euronews a sua própria interpretação do Kuduro.

A nova geração de artistas de kuduro

No bairro de Rangel, falámos com Karliteira, um músico angolano que faz parte da nova geração de artistas de kuduro. "O kuduro é um estilo que consegue curar a doença ou outros problemas. O kuduro traz esse espírito positivo", sublinhou Karliteira.

Para mergulhar nos segredos do kuduro, a euronews visitou um estúdio de gravação. O produtor de música Nuno Tello recordou as primeiras gravações. "Principalmente, nos instrumentos peculiares, no kuduro, não conseguíamos gravar bandas de percurssão. Com aquilo que encontrávamos nas batidas eletrónicas, íamos buscar algo ligeiramente semelhante ao que ouvíamos no nosso carnaval e que é a nossa essência e a nossa tradição", explicou o produtor de música Nuno Tello.

Música angolana à conquista do mundo

Graças ao ambiente festivo, aos sons ritmado, às letras recheadas de simplicidade e humor e às coreografias espontâneas e sofisticadas, o kuduru tornou-se num símbolo nacional que brilha além-fronteiras. Preto Show deu recentemente um concerto na Holanda.

"Eu não esperava daquele pessoal toda essa vontade de ouvir o beat angolano, o estilo angolano. Aos bocados, vamos crescendo, levando esse estilo que é nosso, nacional, aos outros horizontes e aos outros continentes", concluiu o artista angolano.