A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Audição de Margaritis Schinas no Parlamento Europeu

Audição de Margaritis Schinas no Parlamento Europeu
Direitos de autor
REUTERS/Yves Herman
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No Parlamento Europeu, esta quinta-feira, foi a vez do grego Margaritis Schinas responder às perguntas dos eurodeputados.

O principal porta-voz da Comissão Europeia foi escolhido para ser o comissário responsável pela "Proteção do Modo de Vida Europeu”. Uma pasta que gerou muita polémica por causa do nome, considerado por alguns eurodeputados “um slogan da extrema-direita”.

Se for aprovado pelo Parlamento, Schinas vai ser responsável pela gestão de assuntos como emprego, educação, segurança e migração.

No parlamento, o comissário indigitado deixou uma mensagem clara.

"Contra aqueles que não nos permitem celebrar o 14 de julho em Nice; contra aqueles que não nos permitem caminhar nas Ramblas em Barcelona; contra aqueles que, em vez de ajudar os migrantes, os enfrentam; contra aqueles que não dão comida aos requerentes de asilo; contra aqueles que não permitem que os seus filhos vão à escola; contra todos esses elementos, que pensamos que podem ser abordados positivamente através de uma abordagem inclusiva. Tendo em conta quem somos e o que defendemos".

Efi Koutsokosta, correspondente da euronews , acompanhou a audição do futuro comissário.

"O comissário indigitado Schinas estava bem preparado e pronto para responder até às perguntas mais duras. A maioria delas, como esperado, disse respeito ao nome da sua pasta "Proteção do Modo de vida Europeu". Ele defendeu o nome e enviou uma mensagem clara: não somos nós mas sim os populistas e os extremistas quem deve sentir-se intimidado pelos valores europeus. Resta saber se os eurodeputados vão conseguir que Ursula von der Leyen mude o nome da pasta”.