Última hora
This content is not available in your region

Video mostra "laboratório dos horrores" para experiências em animais

Video mostra "laboratório dos horrores" para experiências em animais
Tamanho do texto Aa Aa

Laboratório de Farmacologia e Toxicologia de Hamburgo, também conhecido agora como o "laboratório dos horrores".

Entre 2018 e 2019, um ativista de defesa dos direitos dos animais infiltrou-se durante quatro meses no laboratório e filmou o tratamento cruel de animais sujeitos a experiências. Cães, gatos, coelhos e macacos encerrados em jaulas prostrados sobre fezes e sangue. Sons de dor, animais a serem esquartejados... morte.

A denúncia foi feita pela organização Cruelty Free International em associação com a Soko Tierschutz.

"O que é permitido fazer nesses laboratórios faria como que fossemos para prisão se o mesmo fosse feito aos nossos animais de estimação", diz Friedrich Mülln, da Soko Tierschutz.

As associações exigem o encerramento do laboratório pelo que dizem ser violação das normas da União Europeia.

A procuradoria local está a levar a cabo uma i investigação. As autoridades afirmam que o laboratório já foi inspecionado várias vezes e nunca foi detetada uma violação grave.

Apenas com denuncias como é possível detetar irregularidades graves. A SOKO apela para que os medicamentos sujam usados como último recurso e que os consumidores escolham produtos de beleza não testados em animais.

"Sejam cosméticos, químicos ou mesmo até vinagre da cozinha são testados nos animais por isso é muito difícil evitá-los. Em todo o caso, existem etiquetas, por exemplo para cosméticos, onde se vê se o produto foi testado em animais (...) A indústria de testes em animais é um negócio de milhares de milhões de euros (...) E este é um lobby gigantesco, muito forte, que naturalmente pressiona o legislador e para manter benefícios", diz Mülln.

O Laboratório de Farmacologia e Toxicologia é uma empresa privada alemã que elabora testes de "toxicologia, farmacocinética e farmacodinâmica". Tem 175 funcionários

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.