Última hora
This content is not available in your region

"Os demónios do meu avô" ganham vida

"Os demónios do meu avô" ganham vida
Tamanho do texto Aa Aa

Há uma aldeia transmontana a nascer em Lisboa. Num estúdio da capital portuguesa, cerca de um dezena de pessoas está a criar Vale de Sarronco, a aldeia fictícia onde Rosa retorna para tomar contacto com o passado da família, depois da morte do avô.

Peça a peça, vão sendo criadas todas as figuras de "Os demónios do meu avô", a primeira longa-metragem de animação de Nuno Beato. "Se tivesse de resumir o filme muito rapidamente, tem a ver com a relação que se perde, cada vez mais, a relação com os amigos, com os familiares, neste caso, entre a personagem principal Rosa e o avô", explicou, à agência Lusa, o realizador.

Inspirado nas figuras de barro da ceramista Rosa Ramalho, o filme explora o imaginário das aldeias. Demónios que personificam medos e que na história são usados pelo avô de Rosa para mistificar quem o rodeia.

Construídas em três escalas de tamanho, as figuras passam para estúdio, onde é criado o stop-motion. Frame a frame, 12 fotografias para cada segundo de ação, as personagens vão ganhando movimento.

Um processo moroso para dar vida aos humanos, animais e seres fantásticos, numa história imaginada por Nuno Beato e escrita por Possidónio Cachapa.

"Os demónios do meu avô" têm chegada às salas de cinema prevista para 2021.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.