EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Trump anuncia levantamento de sanções contra a Turquia

Trump anuncia levantamento de sanções contra a Turquia
Direitos de autor  REUTERS/Tom Brenner
Direitos de autor  REUTERS/Tom Brenner
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em conferência de imprensa, em Washington, o presidente do EUA insistiu no papel decisivo dos EUA no quadro da tensão entre Ancara e Damasco

PUBLICIDADE

Os EUA vão levantar as sanções impostas à Turquia como retaliação à ofensiva militar na Síria. Donald Trump garantiu isso mesmo esta quarta-feira, no rescaldo de um acordo anunciado entre a Rússia e a Turquia para manter o cessar-fogo no nordeste sírio.

O presidente dos EUA sublinhou que Ancara declarou a trégua permanente e que o cessar-fogo foi criado pelos EUA: "O Governo da Turquia informou a minha administração que iria parar a ofensiva na Síria e tornar o cessar-fogo permanente. Será verdadeiramente permanente. Dei ordem ao secretário do Tesouro para levantar todas as sanções impostas a 14 de outubro em resposta à ofensiva inicial da Turquia contra os curdos na região fronteiriça no nordeste da Síria. As sanções serão levantadas a não ser que algo aconteça. Este resultado foi criado por nós. Pelos EUA e ninguém mais. Nenhuma outra nação."

Mas vozes russas elencam outro cenário. A polícia militar russa começou as patrulhas em território sírio, próximo da fronteira com a Turquia.

De acordo com o vice-ministro russo dos Negócios Estrangeiros, citado pela agência Interfax, Moscovo está em controlo da situação e espera que os curdos saiam voluntariamente.

Já a agência RIA Novosti cita uma fonte da diplomacia russa para dizer que Moscovo esteve em contacto com os EUA sobre o acordo com a Turquia em relação à Síria.

Em entrevista exclusiva à Euronews, a embaixadora dos EUA junto da NATO, Kay Bailey Hutchison, mostrou-se cética em relação a novo papel da Rússia: "Esperamos o melhor, mas ainda não temos certeza se a Rússia será uma força de estabilidade e se será uma força para bem? Apoiaram Assad que matou o próprio povo. Não é uma boa coisa. Mas será que agora que têm uma pegada maior mudarão?"

Entre vencedores e vencidos no xadrez geopolítico, a população curda não parece satisfeita, mesmo apesar do fim da ofensiva.

Esta quarta-feira, centenas de manifestantes saíram às ruas de Qamishli, cidade de maioria curda, no nordeste da Síria. Denunciaram o acordo entre a Rússia e a Turquia e marcharam rumo a uma representação das Nações Unidas com bandeiras e fotografias de combatentes das Forças Democráticas Sírias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Erdogan recebido pelo "fã" Donald Trump na Casa Branca

Bombardeamentos turcos contra milícias curdos faz pelo menos 20 mortos

Ataque russo em zona controlada pelos rebeldes sírios mata dois civis