Última hora

Putin e Orbán reforçam laços em Budapeste

Putin e Orbán reforçam laços em Budapeste
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Desde 2014, não se passou nenhum ano sem que o Presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, não se tenham encontrado pelo menos uma vez. A proximidade vai contra a política de isolamento e as sanções que a União Europeia implementou desde que a Rússia anexou a Crimeia. Esta quarta-feira, Putin e Orban voltaram a encontrar-se em Budapeste.

`` Houve uma reunião de Putin com Orban todos os anos, e houve um ano ( 2017) em que eles se encontraram duas vezes. Mostra que a Hungria está de alguma forma super-representada no papel regional ou europeu. De acordo com o poder económico da Hungria. há muito mais reuniões entre os dois do que seria razoável," afirma a analista política, Dorka Takacsi.

Putin perdeu os laços com os líderes europeus após os acontecimentos no leste da Ucrânia em 2014 e a anexação da Crimeia. Desde então, visitou Budapeste mais vezes do que todas as capitais da União Europeia juntas.

Com a visita a Budapeste, "Putin pode demonstrar ao público russo que a Rússia não é vista da mesma forma em todos os estados membros da União Europeia, e que, apesar dos acontecimentos de 2014 e a anexação da Crimeia, ainda é bem-vindo na União Europeia," considera a analista política, Dorka Takacsi.

Para Orban, estas reuniões são úteis para demonstrar o papel de ponte da Hungria entre a União Europeia e o Oriente, a Rússia. ''

A reunião desta quarta-feira tem dois tópicos. Um é sobre a economia: a renovação do contrato de serviço de gás que expira em 2021. O outro tópico é financeiro: a Hungria está disposta a renegociar a estrutura da nova central nuclear no país, construída pela Rússia, e o contrato de empréstimo também assinado com Moscovo.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.