Última hora

Atentados em Paris: Viver quatro anos com o trauma

Atentados em Paris: Viver quatro anos com o trauma
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Há quatro anos, Paris foi atingida por uma série de ataques coordenados.

Morreram 130 pessoas e centenas ficaram feridas.

Vários eventos foram organizados para lembrar as vítimas do dia mais mortífero na capital francesa desde a Segunda Guerra Mundial.

À margem das cerimónias, a euronews falou com uma sobrevivente.

Sandrine Martins é filha de portugueses. No dia 13 de novembro de 2015, estava no Bataclan, onde 90 pessoas foram mortas a tiro durante um concerto de rock.

"Parece que passaram quatro dias, quatro horas, talvez quatro semanas. Mas não quatro anos” (...) "Um trauma como o que vivemos é algo que vamos carregar para o resto das nossas vidas."

Naquela noite, em Paris, cafés e restaurantes - e até mesmo o estádio nacional de futebol - foram alvo de ataques.

Sandrine diz que para além do trauma, os sobreviventes sentem-se estigmatizados.

"Sempre que estou à frente de alguém, sinto-me repreendida por ser uma vítima. É como se me dissessem: "aconteceu-te mas pára de usar isso o tempo todo'. Não temos escolha! Temos de viver com isto todos os dias."

O governo francês criou um fundo para ajudar os sobreviventes dos ataques de Paris mas, segundo Sandrine, os recursos - e a simpatia - estão a diminuir.

“No dia 13 de novembro prestamos homenagem às vítimas. É a única vez que eles pensam em nós. Compreendo que a vida deve continuar. Mas para nós não continua”.

Guillaume Valette foi recentemente reconhecido como a vítima 131 dos ataques. Suicidou-se dois anos depois dos atentados. Segundo os médicos, sofria de uma perturbação grave de stress pós-traumático.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.