Última hora

Ministra húngara da Justiça rejeita críticas

Ministra húngara da Justiça rejeita críticas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os membros do governo húngaro raramente se envolvem em debates como este.

A ministra húngara da Justiça, Judit Varga confrontou-se com a eurodeputada holandesa Sophie in 't Veld no decurso de um debate público realizado em Amesterdão.

Um dos tópicos em cima da mesa foi precisamente a liberdade de imprensa.

Segundo a União Europeia, a liberdade de imprensa está ameaçada na Hungria, algo que a governante húngara nega.

"Na realidade, 80% dos órgãos online são muito críticos relativamente ao governo... Todos os dias leio o comunicado de imprensa e são 80%... podem rir-se mas a canal de TV mais popular, e os jornais de maior circulação são muito críticos do governo", afirma Judit Varga, ministra húngara da Justiça.

A Hungria recusou aceitar a quota de migrantes que lhe cabia no âmbito do sistema de redistribuição da União Europeia. As tensões entre Bruxelas e Budapeste aumentaram a este propósito.

"A imigração não é um problema. Não é verdade que Orbán está a usar esta questão para esconder outros problemas? Ele está a evitar o debate?", interrogou a eurodeputada liberal holandesa, Sophie in 't Veld.

"Não, não queremos aceitar este tipo de sistema de distribuição porque vai numa direção errada, é uma má política: é como um convite aberto ao resto do mundo", respondeu a ministra húngara da Justila, Judit Varga.

O estado de direito e o uso indevido de fundos são outras questões importantes para a Europa, sublinhou a eurodeputada liberal.

"Todos nós sentimos que o governo deve servir as pessoas e não acredito que o sr. Orbán sinta a mesma responsabilidade. Ele está a apoiar os seus amigos apenas, a sua base de apoio.
E não creio que isso seja um bom governo", avançou a eurodeputada holandesa, Sophie in 't Veld.

A ministra húngara concluiu afirmando acreditar que os órgãos de comunicação estão a distorcer a realidade e que as críticas são injustas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.