Violência de género em Espanha

Violência de género em Espanha
Direitos de autor Euronews Screenshot
Direitos de autor Euronews Screenshot
De  Patricia Tavares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Segundo as estimativas, 10% das mulheres sofre de algum tipo de violência de género. Sair da espiral é complicado, mas algumas conseguem.

PUBLICIDADE

Em Espanha, segundo as estimativas, 10% das mulheres sofre de algum tipo de violência de género. Sair da espiral é complicado, mas algumas conseguem.

É possível sair. Custa, não é uma coisa que possamos dizer: "Vou ao psicólogo dois dias e passa". Não. Há recaídas, há momentos que fico muito nervosa com ataques de ansiedade, parece que voltamos atrás, mas não ao ponto zero.
Vítima de violência de género

Sofreu abusos psicológicos durante 4 anos.

Estamos tão habituadas a que nos anulem que, quando começamos a sair e nos apercebemos do que está a acontecer - é quando o outro reage mal, é aí que nos apercebemos.

Saiu de casa há 3 anos para morar num abrigo. Tinha medo que tudo se transformasse em violência física.

Ainda tenho medo de o encontrar na rua e continuarei a ter dificuldades durante muito tempo. Até que um dia possa mudar a forma de pensar e não ter mais medo...Quando será? Não sei (...)

Felizmente, teve uma mão amiga e um sistema de proteção. Organizações locais e regionais dão assistência psicológica, jurídica ou abrigo às vítimas.

Espanha aprovou a primeira lei da Europa contra a violência de género em 2004, transformando-se num exemplo para muitos países.

Pela primeira vez, a violência contra as mulheres foi considerada um problema social, que devia ser abordado ao nível da prevenção, educação ou bem-estar social. Não era apenas mais uma questão legal, mas as penas para os agressores tornaram-se mais duras e o problema passou da esfera privada para a esfera pública.

No ano passado, Espanha registou o menor número de assassinatos dos últimos anos, mas as principais medidas dessa lei não foram completamente implementadas. Os entendidos queixam-se da falta de formação contínua e obrigatória; da falta de sensibilização assim como da falta de recursos.

Encontramos muitas dificuldades, principalmente ao nível de saturação dos serviços, porque depois das campanhas de prevenção, muitas mulheres apercebem-se que sofrem de violência e, quando recorrem a estes serviços, não há lugar.
CARLA
Psicóloga - Instituto HÈLIA

A pessoa com quem conversamos está grata pelo apoio que recebeu - mesmo que ainda haja muito a ser feito.

Se eu não tivesse tido o Institut Català de la Dona que me ajudou e me aconselhou, não teria saído de casa e continuaria sofrer violência de género como se fosse uma coisa normal. A partir desse momento, dei um nome às coisas e às situações. Sem as Instituições não conseguimos sair da situação.
Vítima de violência de género
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um arquiteto juntou-se a 17 famílias e nasceu a primeira cooperativa de habitação em Madrid

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Vinícius Júnior, jogador do Real Madrid, não conseguiu conter as lágrimas ao falar de racismo