Última hora
This content is not available in your region

Greve climática em milhares de cidades

euronews_icons_loading
Greve climática em milhares de cidades
Tamanho do texto Aa Aa

Os jovens, aqueles que podem ser as principais vítimas das alterações climáticas, voltaram a ser a esmagadora maioria dos manifestantes que sairam às ruas em todo o mundo.

A Greve Climática Global desta sexta-feira aconteceu em mais de duas mil de cidades de mais de uma centena e meia de países.

"Estou aqui hoje porque, quando você morrer, eu ainda estarei viva e serei eu quem vai ter de lidar com o que vocês fizeram connosco. É a nossa vida que está em jogo," afirma uma jovem em Atenas.

"Estou aqui porque este é o grande problema em todo o mundo. Isto tem de parar, porque pode haver uma extinção em massa muito em breve," explica um jovem em Atenas.

A iniciativa da greve global partiu da adolescente sueca Greta Thunberg. A ativista na luta contra as alterações climáticas ficou conhecida por incentivar todos os estudantes a fazerem greve às "sextas-feiras, pelo futuro". Uma maneira de denunciar a inércia dos políticos nacionais e internacionais perante as alterações climáticas.

Greta Thunberg vai marcar presença na COP25 em Madrid e passa por Portugal.

"Manifestamo-nos para proteger o planeta do consumo excessivo, das compras inúteis que destroem o nosso ecossistema, o meio ambiente. E protestamos por sermos a única geração que está a enfrentar o problema," declarou uma jovem em Paris.

De recordar que o Parlamento Europeu declarou o estado de "emergência climática e ambiental" e defendeu que a União Europeia se deve comprometer a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 55% até 2030, para atingir a neutralidade climática até 2050.