Última hora

Venezuelanos temem xenofobia na Colômbia

Venezuelanos temem xenofobia na Colômbia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Daniel Herrera caminha em silêncio para casa. Mesmo depois dos protestos contra o governo de Bogotá, optou por não dizer uma palavra.

Tem medo de ser descriminado pelo sotaque que lhe denuncia as origens. Veio da Venezuela e a nacionalidade que tem nem sempre é bem vista onde vive há dois anos. Depois de fugir da violência do país onde nasceu, nunca esperou sentir-se tão inseguro na Colômbia.

"Protestei na Venezuela, mas não senti o medo que senti aqui, Aqui, senti não ter qualquer segurança. Lá, podia simplesmente pegar no telefone e pedir a alguém para me ajudar, aqui não, senti as minhas mãos atadas", conta.

Das ruas às redes sociais, os comentários xenófobos vão circulando. Investigadores e organizações não-governamentais alertam para o aumento das ofensas desde o dia dos protestos em Bogotá, em que notícias de vandalismo e pilhagem foram relacionadas com venezuelanos.

Também Antonio Vásquez, a viver na Colômbia depois de abandonar a Venezuela, teme o ambiente de perseguição e violência instaurado.

"Tenho muitos conterrâneos que dizem ^Vou voltar para a Venezuela porque imagina que acontece aqui o mesmo que aconteceu no Peru, ou no Equador', em que começam a deportar venezuelanos e a tratá-los de forma agressiva e a bater neles. Há mesmo uma zona em Bogotá onde gritavam "Fora com os venezuelanos! Os venezuelanos são ladrões", o que nos deixa mais nervosos. Por três venezuelanos terem sido detidos por roubo, vamos todos pagar".

Nos últimos anos, mais de 4 milhões de venezuelanos deixaram o país de origem para fugir à escassez de alimentos e cuidados de saúde e à hiperinflação da economia. À Colômbia chegaram quase 1,5 milhão de pessoas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.