Última hora
This content is not available in your region

Genéricos russos contestados por médicos e pacientes

Genéricos russos contestados por médicos e pacientes
Tamanho do texto Aa Aa

Daria nasceu com fibrose cística, uma doença genética rara que afeta principalmente os pulmões. Aos 24 anos, tem grande dificuldade em respirar, mas não hesitou em sair em protesto até ao Ministério russo da Saúde. No poster que exibe está escrito: "Quero vier". Ela exige o direito de ser tratada com medicamentos não genéricos, provenientes do estrangeiro. Uma petição nesse sentido recolheu já mais de 200.000 assinaturas.

Daria: "Nós, pacientes e familiares de pacientes com fibrose cística, temos de sair à rua e pedir que não nos retirem os últimos antibióticos ativos, para podermos viver pelo menos durante mais algum tempo."

Daria está em lista de espera para um transplante de pulmões. Ela diz que, noutros países, pessoas com fibrose cística vivem vidas longas, trabalham e praticam desporto. Ela quer simplesmente sobreviver até ao próximo ano e acusa o Estado e os genéricos russos.

Galina Polonskaya, euronews: "Há vários anos, a Rússia decidiu substituir medicamentos de fabrico estrangeiro por genéricos russos, como parte de uma estratégia nacional. Muitos medicamentos estrangeiros foram assim retirados do mercado e profissionais de saúde dizem que esse patriotismo médico está basicamente a matar pessoas que poderiam ser facilmente curadas, mas os avisos não são ouvidos."

Aleksandr Saversky, diretor da Liga de Defesa dos Pacientes: "O genérico contém outras substâncias e pode ter aditivos diferentes. Os médicos têm medo de comunicar os efeitos secundários, porque o sistema os culpabiliza, afirmando que receitaram algo errado."

Sacha, de 4 anos, também nasceu com fibrose cística. No ano passado, foi três vezes seguidas ao hospital, deixando claro que os genéricos russos não estavam a funcionar. Os pais decidiram pedir um crédito e levar Sacha a um hospital em Israel. Onze meses depois, Sacha sente-se muito melhor, mas os pais Irina e Rinat estão presos a um empréstimo avultado.

Irina Abdulova: "Sentimos muita ansiedade... O meu marido começou a ter ataques de pânico. Não sabemos simplesmente o que fazer. Pegar na criança e fugir para algum sítio? Mas para onde?"

A questão afeta também outros pacientes, com outras doenças. Os pais de dezenas de crianças com cancro na região de Krasnoyarsk alertaram para os efeitos secundários do Vicristin russo. Sophia, de 9 anos, deixou de poder mexer as mãos e pernas depois de ser tratada com o medicamento em questão. Mesmo se os pais conseguem adquirir o medicamento original, os hospitais recusam administrá-lo.

O oncologista pediátrico Aleksey Maschan luta há vários anos contra o patriotismo médico. Numa carta ao ministro da Saúde avisa que, se a situação não mudar, a taxa de mortalidade das crianças com cancro na Rússia vai subir até 30 por cento nos próximos 5 anos.

Aleksey Maschan: "Usamos 7, 8 ou 9 medicamentos num paciente com um tumor. Se um ou dois forem menos eficazes, poderemos ver os resultados, mas apenas 5 a 7 anos mais tarde. Daqui a alguns anos, assistiremos a um aumento nas reincidências, veremos crianças a morrerem, apesar de não o podermos provar agora."

Pais de crianças com doenças raras, como a fibrose cística, são os mais ativos na contestação contra o sistema, organizando ações de protesto por todo o país, mais também indo ao encontro de responsáveis e escrevendo cartas. No entanto, nada parece mudar.

Anna Stanovskaya: "As pessoas vão começar a morrer, as crianças também, como acontecia há 20 ou 30 anos. O Estado está a obrigar-me a fazer experiências com a saúde do meu filho."

O filho de Anna também sofre de fibrose cística. Ela diz-se disposta a tornar-se numa refugiada médica para salvar a sua vida, se nada mudar na Rússia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.