Centenas manifestam-se na Turquia contra ofensiva em Idlib

Istambul, Turquia
Istambul, Turquia Direitos de autor Copyright 2019 The Associated Press. All rights reservedLefteris Pitarakis
De  Ana Serapicos com AP, Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Bandeiras sírias cobriram uma das praças de Istambul

PUBLICIDADE

Bandeiras da Coligação Nacional Síria cobriram a rua do consulado russo em Istambul, na Turquia, apesar da chuva. Centenas de manifestantes reuniram-se na cidade turca para mostrar o descontentamento pela ofensiva lançada pelas forças governamentais sírias na região de Idlib, a última controlada pelos rebeldes.

Os vários ataques aéreos do dia 8 de dezembro marcaram o fim de uma trégua de três meses. Fizeram dezenas de mortos. Os bombardeamentos continuam desde então.

Que a Rússia, e especialmente Bashar al-Assad (...) sejam julgados e responsabilizados por estes crimes de guerra (...)"
Gülden Sönmez
Manifestante turca

Aos jornalistas, uma advogada turca de 24 anos, presente no protesto, disse que está no protesto para "protestar contra o massacre" que acontece na Síria, e deixou um apelo: "Que todos os responsáveis pelos ataques sejam julgados e responsabilizados" pelos crimes "em noma da humanidade".

Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved
Pai segura a filha no protesto em IstambulCopyright 2019 The Associated Press. All rights reservedLefteris Pitarakis

Quem também condenou os ataques foi a União Europeia, que deixou um apelo ao fim da escalada de violência de todas as partes envolvidas.

"A escalada da violência no noroeste da Síria por parte do regime sírio e seus aliados deve cessar. A última ofensiva inclui ataques aéreos indiscriminados contra civis e rotas de fuga", escreveu em comunicado o Serviço Europeu para a Ação Externa (SEAE).

De acordo com um relatório da ONU, mais de 235 mil pessoas foram obrigadas a sair da província de Idlib, no noroeste da Síria, só nas últimas duas semanas, depois da intensificação dos bombardeamentos russos e das forças do governo sírias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: Estimam-se 600 mil deslocados, metade crianças, desde dezembro

Forças sírias lançam ofensiva contra rebeldes da província de Idlib

Rússia acusa EUA de abandonar curdos na Síria