Última hora
This content is not available in your region

Chefes da diplomacia europeia reunidos em Bruxelas

Chefes da diplomacia europeia reunidos em Bruxelas
Direitos de autor
Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Chefes da diplomacia europeia reuniram-se em Bruxelas para um encontro de emergência após vários dias tensão no Médio oriente.

O assassinato norte-americano de um comandante militar iraniano e a vaga de mísseis iranianos contra bases norte-americanas no Iraque assim como o misterioso desastre aéreo envolvendo um aparelho comercial ucraniano colocou a região à beira da guerra.

Salvar o acordo nuclear iraniano foi a prioridade para a diplomacia europeia que tentou evitar um escalar de tensões.

A Europa deve continuar a desempenhar um papel importante na região, diz o ministro dos negócios estrangeiros do Luxemburgo.

"Somos nós que temos canais abertos com a América, o Iraque e o Irão, isso é uma vantagem. Mas antes de mais, temos que falar no desastre que custou 176 vidas. É preciso uma investigação transparênte", afirmou o ministro dos negócios estrangeiros do Luxemburgo, Jean Asselborn.

O seu homólogo alemão destacou o sucesso da diplomacia europeia.

"O perigo iminente de guerra, que foi uma possibilidade real nos últimos dias, acabou. Trata-se de um desenvolvimento muito positivo, que se deve à União Europeia e muitos estados-membros que interviram em ambas as direções", defende o chefe da diplomacia europeia, Heiko Maas.

Na agenda está igualmente a situação na Líbia onde os combates se intensificaram nos últimos dias.

A complicar a situação está o envolvimento no conflito da Rússia e, em particular, da Turquia que considera uma invasão militar.

A UE pretende uma Líbia estável na medida em que o país é visto como essencial para os esforços europeus para interromper a imigração ilegal de África.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.