EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

França permanece longe do compromisso social

França permanece longe do compromisso social
Direitos de autor AP Photo/Laurent Cipriani
Direitos de autor AP Photo/Laurent Cipriani
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo, sindicatos e patrões franceses ainda não chegaram a consenso em relação à reforma da segurança social.

PUBLICIDADE

França repensa o sistema de segurança social, mas pouco ou nenhum consenso tem impedido as negociações de chegar a bom porto.

Após cinco semanas de impasse e greves, governo, sindicatos e patrões sentaram-se à mesa para discutir as propostas do executivo.

Este sábado, garante o primeiro-ministro, é dia de apresentar propostas concretas.

À saída da reunião, Edouard Philippe foi mesmo quem se mostrou mais otimista. O chefe do executivo disse que a "troca de ideias deu lugar a discussões muito francas, construtivas (...) e úteis" e que a noite foi de "grandes progressos", mas até as partes chegarem a um compromisso, - garantiu - ainda "há muito trabalho pela frente".

Entre as principais medidas em cima da mesa estão a criação de um sistema universal de pensões e o aumento da idade da reforma dos 62 para os 64 anos. Mas as propostas não seduzem nem sindicatos, nem patrões.

Do lado dos trabalhadores, a exigência de suprimir o projeto de lei sobre a idade da reforma, o que, na prática, significa alterações à proposta já enviada ao Conselho de Estado.

O secretário-geral da Confederação Francesa Democrática do Trabalho (CFDT), Laurent Berger, afirmou ser " necessário que o projeto de lei seja suprimido, o que significa alterações à proposta enviada ao Conselho de Estado". Para o líder sindical, "o aumento da idade de reforma terá de deixar de existir, para se alcançar um sistema equilibrado em 2027".

Para a federação de empregadores, as conversações estão numa fase inicial ainda longe do compromisso. Antes de mais, os patrões querem ver os números e exigem saber quanto é que a reforma da segurança social vai custar

"Um compromisso não é o que importa agora, estamos num ponto em que queremos saber quanto é que tudo isto vai custar. Oiço algumas pessoas dizer que estamos perto de um acordo, mas para chegarmos a um acordo sobre o financiamento e outros aspetos, precisamos de números. E ainda não temos os números ", afirmou o presidente do Movimento de Empresas de França (MEDEF), Geoffroy Roux de Bézieux.

Um dia antes da reunião, centenas de milhares de franceses saíram à rua para contestar os planos do governo. Os sindicatos não dão tréguas e os protestos que continuam este sábado, prometendo afetar vários setores no país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governo francês deixa cair aumento da idade da reforma

França vive dia de protesto antes do retomar das negociações

Nova greve geral em França contra reforma de pensões