Última hora
This content is not available in your region

Vladimir Putin pretende alterar Constituição

Vladimir Putin pretende alterar Constituição
Direitos de autor
AP
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente russo quer alterar a Constituição do país.

No discurso sobre o Estado da Nação, Vladimir Putin sugeriu alterar a lei fundamental de modo a aumentar os poderes do Parlamento russo. O presidente, cujo mandato termina em 2024, pretende que sejam os parlamentares a nomear o primeiro-ministro e a maioria dos membros do Executivo, atualmente uma prerrogativa do chefe de Estado.

"Sugiro alterar esta ordem e confiar à Duma não só a concordância, mas também a nomeação de um candidato ao cargo de primeiro-ministro da Federação Russa e, em seguida, sob a sua proposta, a proposta do primeiro-ministro, nomear todos os vice-primeiros-ministros e ministros federais", afirmou o presidente.

Vladimir Putin referiu, ainda, que a Rússia vai continuar a cooperar com os outros países, no entanto, vai manter uma forte capacidade de defesa de modo a que se possa defender de eventuais ameaças.

"Não estamos a ameaçar ninguém e não estamos a tentar impor a nossa vontade. Ao mesmo tempo, posso assegurar a todos que os nossos passos para reforçar a segurança nacional foram dados atempadamente e em número suficiente. Não estamos a perseguir ninguém nem tão pouco país que ainda não fabricaram as armas que a Rússia possui".

"Combater a pobreza, aumentar os níveis de natalidade... Este ano, o discurso do presidente Putin sobre o Estado da Nação foi dominado por problemas e desafios internos, e agora inicia, também, o processo de debate e alteração da Constituição, assim como o referendo que vai definir os aspetos da lei fundamental do país", relatou a jornalista da euronews, Galina Polonskaya.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.