Última hora
This content is not available in your region

Palestinianos rejeitam plano de paz de Trump

euronews_icons_loading
Palestinianos rejeitam plano de paz de Trump
Direitos de autor  AP Photo, all rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

"Mil vezes 'não'" foi a reação do presidente palestiniano ao plano de paz de Donald Trump para o Médio Oriente. E na Cisjordânia os habitantes também rejeitaram as propostas norte-americanas, que os críticos dizem favorecer fortemente Israel. Houve confrontos entre dezenas de palestinianos e soldados israelitas.

O plano foi apresentado por Trump ao lado do primeiro-ministro israelita e sem serem ouvidos os palestinianos. Abbas reagiu assim: "Quero dizer a Trump e Netanyahu que Jerusalém não está à venda e que os nossos direitos não estão à venda, nem são negociáveis e que este acordo conspirativo não será aprovado".

Trump propôs um estado palestiniano independente, mas anunciou que Jerusalém "permanecerá como a capital indivisível de Israel".

"Pedimos aos palestinianos que respondam aos desafios da coexistência pacífica", disse Trump.

"Espero que os palestinianos adiram e construam com Israel um futuro de prosperidade e paz", afirmou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

O presidente dos Estados Unidos reconhece a anexação de colonatos israelitas em território palestiniano e que Israel terá soberania no Vale do Jordão.

Numa carta enviada a Abbas, Trump explica que o plano exige o congelamento da construção de novos colonatos israelitas por quatro anos.

A ONU disse que um acordo de paz deve ser baseado nas resoluções das Nações Unidas, leis internacionais e acordos bilaterais.