EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tribunal Constitucional alemão abre as portas ao suicídio assistido

Tribunal Constitucional alemão abre as portas ao suicídio assistido
Direitos de autor 
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Tribunal Constitucional Federal da Alemanha considerou inconstitucional a lei que proibia o suicídio assistido quando realizado de forma comercial. A lei de 2015 permitia apenas o suicídio assistido por "motivos altruístas".

PUBLICIDADE

O Tribunal Constitucional Federal da Alemanha considerou inconstitucional a lei que proibia o suicídio assistido quando realizado de forma comercial. A lei de 2015 permitia apenas o suicídio assistido por "motivos altruístas". Quem o propusesse aos pacientes "de forma comercial" incorria numa pena de prisão de até três anos.

Segundo o tribunal, a Constituição alemã protege o direito a determinar a própria morte. "Este direito inclui a liberdade de cometer suicídio, de pedir ajuda aos outros, e de quando oferecida, aceitar", afirmou o presidente do Tribunal Constitucional, Andreas Vosskuhle.

Médicos e organizações tinham-se queixado ao Tribunal Constitucional da utilização da palavra "comercial".

Alguns cidadãos alemães, entre eles Helmut Feldmann, doente em fase terminal, interpuseram uma ação judicial para reverter a lei. "Quando já não há tratamento, então já não há mais ajuda e sufoca-se dolorosamente", disse Feldmann.

O Parlamento alemão terá agora de legislar de acordo com a decisão do Tribunal Constitucional, criando um enquadramento legal para a prática do suicídio assistido no país.

Até agora os doentes terminais alemães que queriam morrer tinham de se deslocar a um país onde a prática é permitida.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump paga 175 milhões de dólares para evitar apreensão de bens em caso de fraude

Antigo presidente hondurenho condenado nos EUA por conspirar com traficantes de droga

Dani Alves considerado culpado de violação de uma mulher numa discoteca em Espanha