Última hora
This content is not available in your region

ARCOmadrid enche Espanha de arte contemporânea

euronews_icons_loading
ARCOmadrid enche Espanha de arte contemporânea
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Obras como "Franco não foi tão mau como dizem", do artista finlandês Riiko Sakkinen, que lembra como alguns partidos tentam branquear a imagem do ditador, ou peças em porcelana vitrificada chinesa, com fotografias tiradas das notícias da televisão, da autoria do artista Carlos Aires, trouxeram uma mensagem política para a ARCOmadrid.

A edição de 2020 da Feira Internacional de Arte Contemporânea desenvolve-se em torno do tema "É apenas uma questão de tempo." Os visitantes poderão observar práticas artísticas a partir do trabalho do artista norte-americano de origem cubana Félix González-Torres. Perdeu a vida aos 38 anos, mas as esculturas e instalações que criou são vendidas por milhões de dólares.

A ARCOmadrid pretende criar sinergias entre artistas, galerias e colecionadores e tornar a arte mais acessível, como explicou a diretora da feira, Maribel Lopez: "Criámos a campanha #comproumaobra porque nos parece importante gerar novos colecionadores mais jovens que apoiem a sua própria geração. Tentamos assegurar que não se cria um buraco geracional entre os artistas que têm entre 20 a 30 anos. Através do webiste koyac.net as galerias oferecem obras até 2020 euros à disposição dos interessados."

Até domingo estão representadas mais de 200 galerias de 31 países. 13 delas são de Portugal.

Os trabalhos do artista plástico e ativista chinês Ai Wei-Wei está representado através dos retratos de animais criados a partir de legos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.