Última hora
This content is not available in your region

Coronavírus começa a ser travado em Lodi

euronews_icons_loading
Coronavírus começa a ser travado em Lodi
Direitos de autor  Alessandra Tarantino/AP
Tamanho do texto Aa Aa

Com mais de 23 mil casos de Covid-19, Itália mantém-se na linha da frente dos países com mais casos deste novo coronavírus fora da China, o epicentro desta pandemia. Mas há uma boa notícia em Lodi, uma cidade colocada sob quarentena a 21 de fevereiro.

A enorme pressão sobre as unidades de saúde italianas levou alguns hospitais a recorrer a tendas para conseguir albergar todos os pacientes.

É o caso do hospital de Brescia, na província da Lombardia, a mais afetada em Itália e, como tal, uma das primeiras a ter várias cidades sob quarentena.

A medida, também já implementada em Portugal, Espanha e França, visa reduzir a cadeia de contaminação através da limitação dos contatos sociais e está a ter bons resultados.

Lodi foi a primeira cidade a ser colocada sob quarentena em Itália e a curva de novos casos, de acordo com um estudo de Oxford, está agora a estagnar, havendo registo de apenas 42 novos casos de infeção.

Ao contrário de Bérgamo, também na Lombardia, onde só na última semana morreram mais de 300 pessoas com Covid-19.

O exemplo do "Diamond Princess"

De regresso a Itália, o capitão do navio cruzeiro "Diamond Princess", que esteve mais de um mês sob quarentena ancorado no Japão, partilhou a experiência vivida a bordo de um barco com mais de 700 casos de infeção confirmados, incluindo sete mortos.

Gennaro Arma mostrou-se consciente "do momento difícil por que passa Itália", mas também otimista.

"Estou convicto de que, tal como aconteceu no barco, se nos mantivermos unidos, com um grande espírito de sacríficio e boa vontade, se seguirmos as instruções que nos são dadas, este momento irá passar e tudo ficará bem", afirmou o capitão de um dos focos mais mediáticos desta pandemia.

Há no entanto quem se tente aproveitar deste momento frágil em Itália. A polícia de Nápoles tem vindo a apreender centenas de máscaras falsificadas ou vendidas ilegalmente inclusive em farmácias por um preço às vezes seis mil vezes mais caro que o normal.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.