Última hora
This content is not available in your region

Pandemia vai acelerar "crise existencial"da UE?

euronews_icons_loading
Pandemia vai acelerar "crise existencial"da UE?
Direitos de autor  Lukasz Kobus/ EU
Tamanho do texto Aa Aa

A crise da Covid-19 poderá acelerar a "crise existencial" na União Europeia no últimos anos, marcada por divisões entre grupos de países sobre como gerir o projeto comunitário. No limite levou à saída de um Estado-membro pela primeira vez na história do bloco criado para potenciar paz e progresso, exigindo-se uma reforma de fundo.

"Para ser sincero, estamos no limite do modelo intergovernamental para tomar decisões na Europa. Existe apenas uma instituição de natureza verdadeiramente europeia, que é o Banco Central Europeu. Nesta crise, agiu de forma rápida e convincente, disponibilizando 750 mil milhões de euros. Mas precisamos de mudanças, é ncessário alguém que unifique o propjeto europeu, é preciso passar do modelo intergovernamental para uma Europa realmente unida. A questão é quem é que será capaz de fazer essas mudanças", afirmou Luis Garicano, eurodeputado liberal espanhol.

A crise financeira de 2008 levou a enorme austeridade, a que se somou a pressão para lidar com o desafio da alterações climáticas. A pandemia é um novo teste à coesão no bloco.

"Assistemos a um regresso, por assim dizer, do papel dos poderes públicos na gestão de uma crise com grande interdependência, que requer medidas de apoio social e de apoio à economia que está a ficar paralisada. Mas penso que esta crise também será uma oportunidade para analisar como inovar ao nível da governação e da cooperação entre os Estados-membros e as instituições da UE", disse Giovanni Grevi, analista no Centro de Políticas Europeias.

A pandemia poderá ser uma nova oportunidade para a UE mostrar que o nacionalismo não resolve os problemas que afetam milhões de pessoas num mundo globalizado.