EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Comércio reabre em vários países europeus

Comércio reabre em vários países europeus
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Países como Suíça e República Checa reabrem o comércio, mas o confinamento continua nos mais afetados pela epidemia.

PUBLICIDADE

A vida em vários países da Europa começa, pouco a pouco, a voltar ao que era antes do confinamento. Na Suíça, as floristas e os cabeleireiros puderam reabrir. Na República Checa, são vários os tipos de loja que puderam voltar a abrir as portas. Os tribunais da Dinamarca vão voltar a funcionar dentro de pouco tempo e, na Noruega, foi o regresso às aulas.

Depois de seis semanas com aulas à dist|ancia, os pequenos noruegueses, dos seis aos dez anos, estão de volta aos bancos da escola.

Este regresso da escola primária acontece uma semana depois de também a pré-primária ter reaberto.

Na República Checa, o entusiasmo é contido: Mesmo se as lojas puderam reabrir, com grandes promoções para atrair a clientela, falta uma fatia importante dos clientes: os turistas.

"Penso que talvez a situação volte a ser como era quando reabrirem as fronteiras e volte a haver o movimento de turistas que havia antes e que já nos conheciam. Isso só vai acontecer quando as pessoas já não tiverem medo do coronavírus", diz uma comerciante.

São vários os países da Europa onde já é possível fazer coisas como, por exemplo, ir ao ginásio - como na Sérvia. Fazer jogging nos parques voltou a ser possível na Bulgária.

Os países mais afetados pela pandemia, como é o caso de Espanha, Itália ou França, mantêm medidas de confinamento pelo menos até às primeiras semanas de março e o regresso à normalidade vai fazer-se progressivamente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Covid-19 provoca quebra no comércio global

Países preparam-se para a guerra? Noruega vai investir mais 52 mil milhões na Defesa até 2036

NATO inicia exercícios militares para proteger novo território nórdico