Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Os números e as notícias de segunda-feira, 27 de abril

Virus Outbreak Britain
Virus Outbreak Britain   -   Direitos de autor  Kirsty Wigglesworth/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

A pandemia já fez com que mais de três milhões de pessoas fossem infetadas em pelo menos 185 países e, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, já terá contribuído para mais de 206 mil mortos, havendo quase 900 mil pessoas recuperadas da infeção provocada por este novo coronavírus.

O surto de SARS-CoV-2 terá surgido em dezembro na cidade chinesa de Wuhan e teve o primeiro registo na Europa a 20 em janeiro, em França, o mesmo dia em que agora se admite ter sido também registado pela primeira vez nos Estados Unidos.

A pandemia entrou em África, pelo Egito, a 15 de fevereiro, e dez dias depois chegou à América do Sul, pelo Brasil. A pandemia bloqueou a maior parte do mundo desde meados de março.

Atualizações

21h20 (CET) Indemnizações às famílias de profissionais de saúde que perderam a vida no Reino Unido

O governo do Reino Unido vai pagar indemnizações por cada profissional de saúde que tenha perdido a vida infetado com o novo coronavírus.

A compensação, anunciada por Matt Hancock, secretário de Estado da Saúde, será de 69 mil euros e será entregue às famílias das vítimas.

"É claro que nada substitui a perda de um ente querido, mas queremos fazer tudo o que pudermos para apoiar as famílias que estão a enfrentar este sofrimento”, disse Matt Hancock.

A iniciativa, de nome "esquema de seguro de vida”, foi revelada durante a conferência de imprensa diária desta segunda-feira, momento também onde foi anunciada a morte de 82 trabalhadores do serviço nacional de saúde do país.

20h55 (CET) Rússia admite querer reduzir medidas de confinamento em maio

No dia em que ultrapassou a China em número de infetados pelo novo coronavírus, a Rússia admite que as medidas de confinamento vão ser reduzidas "se tudo correr bem", em maio.

O anúncio foi feito por Anna Popova, responsável pelos serviços de saúde do país, que estabeleceu a data de 12 de maio para o levantamento de algumas das restrições.

Mesmo assim, a representante da saúde admite que é preciso mais tempo para quebrar a curva de contágios no país, o qual regista 87 mil casos. Só esta segunda-feira, a Rússia registou 6.198 novos casos de infeção.

20h39 (CET) Governo de Cabo Verde quer retirar impostos à importação de equipamentos de combate à pandemia

Cabo Verde decidiu apresentar uma proposta de lei que isenta de imposto de importação todas as empresas que tencionem comprar fora do país bens e equipamentos de proteção individual que sirvam para combater a pandemia de Covid-19.

O anúncio foi feito por Olavo Correia, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças do país, que salientou que a proposta é fundamental numa altura em que Cabo Verde se prepara para retomar a atividade.

O país regista, até agora, 109 casos positivos para covid-19, distribuídos pelas ilhas de Santiago (55), da Boa Vista (53) e de São Vicente (01).

20h23 (CET) Presidente da EDP admite descida no preço da eletricidade "de forma sustentada"

O presidente executivo da EDP, António Mexia, admitiu que haverá uma descida do preço da eletricidade, “de forma sustentada”, justificando com a descida do preço do petróleo e o aumento do peso das renováveis.

O gestor, que falou depois de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, indicou que “o preço da energia é ditado no mercado em concorrência” e que a elétrica fará o que for necessário “para ser competitiva”.

20h04 (CET) Aviação vai demorar anos a retomar nível, diz presidente da Boeing

David Calhoun, líder da empresa multinacional norte-americana, admitiu que serão precisos três a cinco anos para que os dividendos da Boeing sejam restaurados.

"Esta crise sanitária é diferente de tudo o que conhecemos antes", disse Calhoun, durante uma reunião da empresa. O líder acrescentou ainda que haverá um período de "vários anos" para que se atinja o nível anterior à pandemia.

O setor da aviação é dos mais afetados com as restrições de circulação de pessoas devido à pandemia. As ações da empresa já registaram uma desvalorização de mais de 60% em Wall Street. O presidente da empresa admitiu que a Boeing poderá ter que pedir dinheiro emprestado "nos próximos seis meses".

19h32 (CET) França regista mais 437 mortes nas últimas 24 horas

O governo francês revelou há minutos que morreram mais 437 pessoas, 295 das quais em hospitais, infectadas com o novo coronavírus. O número total de vítimas mortais é agora e 23.293.

Desde 1 de março, em meio hospitalar morreram 14.497 pessoas e nos lares foram registados 8.786 óbitos no mesmo período.

Em França há 28.055 pessoas hospitalizadas devido à covid-19 e 4.608 destes pacientes estão nos cuidados intensivos. Estes dois indicadores continuam a descer diariamente.

Desde o início da pandemia, as autoridades francesas registaram 128.339 casos confirmados de covid-19

19h00 (CET) Comissário europeu da Economia antecipa previsão de recessão na Europa na ordem dos 7,5%

Paolo Gentiloni, comissário europeu da Economia, admite que as previsões económicas que Bruxelas divulgará em maio serão “semelhantes” às do FMI, que prevêem uma contração na zona euro de 7,5%.

“Teremos uma contração muito acentuada do Produto Interno Bruto (PIB) europeu em 2020, pior do que aquela [verificada] durante a crise financeira global, e os nossos números serão de uma magnitude semelhante à das últimas previsões do FMI, que antecipam uma contração de 7,5% na zona euro”, revelou o comissário Paolo Gentiloni, durante um debate com a comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu.

Apontando que as previsões económicas da primavera serão publicadas em 07 de maio, o comissário italiano disse que a referência que pode ser utilizada neste momento é o ‘Fiscal Monitor’ divulgado em 14 de abril pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que antecipa uma recessão de 7,5% na zona euro e de 7,1% no conjunto da União Europeia.

18h39 (CET) Andorra vai testar toda a população

O governo de Andorra vai iniciar esta quarta-feira uma campanha de rastreio em massa do novo coronavírus, que tem como objetivo testar todos os cerca de 77 mil habitantes.

Até agora, cerca de 50.000 pessoas já se voluntariaram para serem testadas, segundo os dados revelados pelo ministro da Saúde. Joan Matinez Benazet apelou a toda a população de Andorra a participar.

O governo afirma que vai realizar cerca de 7 mil testes serológicos por dia, em vários locais em todo o país.

18h17 (CET) Morreram mais 333 pessoas em Itália

O número de vítimas mortais em Itália subiu para 26.977, depois de nas últimas 24 horas se terem registado mais 333 vítimas mortais relacionadas com a Covid-19.

No último dia surgiram 1,730 novos casos, o que fez disparar para 199,414 o número de pessoas infetadas em todo o território italiano desde o início da pandemia.

Segundo os dados revelados pelo governo, continuam internadas nos cuidados intensivos 1.956 pessoas e cerca de 66 mil já recuperaram da doença.

18h15 (CET) Reino Unido regista 360 mortes em 24 horas

O governo do Reino Unido anunciou há instantes que morreram mais 360 pessoas nas últimas 24 horas, o número mais baixo desde março. O número de vítimas mortais relacionadas com a pandemia é agora de 21.092.

Durante esta segunda-feira, o secretário da Justiça do Reino Unido anunciou a morte de 15 prisioneiros e de cinco funcionários de uma prisão, alertando para o número de casos positivos nas prisões do país. Em todo o Reino Unido já foram detetados 321 casos positivos para Covid-19 em prisioneiros e 293 para profissionais que trabalham nas instituições.

Até agora, o governo do Reino Unido libertou 33 prisioneiros para evitar a transmissão do novo coronavírus nas prisões.

16h45 (CET) Mais mortes no Irão mas menos contaminações

O Irão, um dos países mais afetados com o novo coronavírus desde o início da pandemia, anunciou que nas últimas 24 horas morreram mais 96 pessoas, elevando o número de mortes associadas à pandemia para 5.806, segundo os dados revelados pelo Ministério da Saúde do país.

No dia anterior, o governo tinha reportado uma queda no número de mortes para 60, o mais baixo desde 10 de março.

Quanto aos novos casos de infeção, o Irão registou 991 no último dia, sendo 91.472 o número total de casos confirmados no país.

16h30 (CET) Governo angolano admite estar a analisar apoio financeiro à TAAG

O ministro dos Transportes de Angola disse hoje, em Luanda, que está a analisar o apoio que será necessário prestar à TAAG, transportadora aérea nacional, juntamente com o Ministério das Finanças e o executivo.

Ler artigo aqui

16h00 (CET) Renamo acusa autoridades de aproveitar pandemia para aumentar violência

Ossufo Momade, presidente da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição moçambicana, acusou hoje as forças de defesa e segurança de se aproveitarem do combate à covid-19 para cometerem atos de violência contra a população e opositores.

Ler artigo aqui

15h10 (CET) Argentina diz que Bolsonaro não está a levar o vírus a sério

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse estar "muito preocupado com a situação do coronavírus no Brasil" por temer que a pandemia cruze a fronteira, já que, como disse, o "governo brasileiro não está a encarar o problema com seriedade".

Alberto Fernández disse que "gosta muito do povo brasileiro", mas que está preocupado porque "o vírus pode vir para a Argentina".

A Argentina regista neste momento 3.892 infetados e 192 mortes, o Brasil tem 61.888 contagiados e conta com 4.205 mortes associadas ao novo coronavírus.

14h50 (CET) António Costa avisa que "se as coisas começarem a correr mal" pode ter que ser dado "um passo atrás"

O primeiro-ministro português admitiu esta segunda-feira que "se as coisas começarem a correr mal, temos que dar um passo atrás", referindo-se ao levantamento das medidas de confinamento.

António Costa falou aos jornalistas esta manhã, em Paços de Ferreira, depois de visitar uma fábrica que está a produzir 100 mil máscaras por dia.

Em resposta aos jornalistas sobre as medidas a tomar no futuro, o Chefe de Estado reforçou que a consciência dos portugueses será muito importante na fase de desconfinamento.

"Isto só vai correr bem se as pessoas se sentirem seguras, se tiverem confiança e a disciplina de ajudarem os outros a sentir-se seguros", admitiu Costa.

14h20 (CET) Número de vítimas mortais em Portugal sobe para 928

Segundo os dados revelados há minutos pela Direção-Geral da Saúde, morreram mais 25 pessoas em Portugal, elevando para 928 o número total de mortes relacionadas com a Covid-19.

O número total de infetados em todo o território português é de 24.027, depois de, nas últimas 24 horas, terem sido registados mais 163 casos positivos. O número de doentes recuperados é de 1.357, número há cinco dias consecutivos superior ao número de mortos.

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (536), seguida da região Centro (191), de Lisboa e Vale do Tejo (179), do Algarve (12), dos Açores (9) e do Alentejo que regista um caso, adianta o relatório da situação epidemiológica.

Conferência de imprensa:

Conferência de imprensa COVID-19

Conferência de imprensa COVID-19 | Acompanhe em direto #DGS #Saúde #SNS

Publiée par Direção-Geral da Saúde sur Lundi 27 avril 2020

13h45 (CET) Rússia ultrapassa China no número de casos positivos

Desde o início da pandemia, a Rússia registou 87.000 casos de covid-19, número superior aoaos 83.912 registados na China, país onde o vírus teve origem.

Só no último dia, a Rússia detetou 6.198 novos casos positivos para o novo coronavírus, de acordo com o gabinete da saúde da Federação Russa.

12h00 (CET) Ritmo de mortes diárias abranda na Bélgica

As autoridades de saúde da Bélgica somaram hoje mais 113 mortos à lista de óbitos associadas à epidemia de Covid-19 no país. Um abrandamento do ritmo de fatalidades perante as 178 somadas no domingo.

De acordo com o boletim epidemiológico de hoje, há 553 novos casos confirmados de Covid-19, uma diminuição em relação aos 809 registados no domingo, num total de 46.687.

Em relação à última atualização, foram internadas 127 pessoas (204 no domingo), num total de 14.764. Foram diagnosticadas mais 93 "altas" (368 na véspera), o que perfaz 10.878 pessoas recuperadas desde 15 de março.

11h30 (CET) África ultrapassa os 1.400 mortes e aproxima-se das 32 mil infeções

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu para 1.423 nas últimas horas, com 31.933 casos da doença registados em 52 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nas últimas 24 horas o número de mortos subiu de 1.374 para 1.423, enquanto as infeções aumentaram de 30.329 para 31.933.

O número total de doentes recuperados subiu de 8.409 para 9.566.

CDC Africa
Atualizado às 11h30 de 27 de abril de 2020CDC AfricaMarques, Francisco

11h20 (CET) Grande Prémio de Fórmula 1 de França cancelado

O GP de França de Fórmula 1, previsto para 28 de junho, foi definitivamente cancelado depois de o Governo francês ter mantido a proibição da realização de eventos públicos pelo menos até meio de julho devido à pandemia.

O anúncio foi feito esta segunda-feira, em comunicado, pelos promotores da corrida.

"Depois das declarações do presidente francês [Emmanuel Macron] a proibir os grandes eventos pelo menos até meados de julho, manter as fronteiras fechadas até nova ordem, o GP de França torna pública a impossibilidade de manter a prova no dia 28 de junho", lê-se no documento.

11h05 (CET) Espanha já tem mais de 100 mil pessoas recuperadas da Covid-19

A atualização da situação epidemiológica em Espanha voltou a somar mais de 300 mortos associados ao novo coronavírus. Depois dos 288 de domingo, agora foram adicionados mais 331 óbitos e o total ascende agora a 23.521.

A boa notícia prende-se com o número de recuperados, agora já mais de 100 mil.

O governo vai começar a analisar hoje com as comunidades autonómicas os planos de levantar o confinamento imposto no país até 15 de maio.

10h20 (CET) Boris Johnson volta a discursar após recuperar da Covid-19

O primeiro-ministro britânico voltou a falar ao Reino Unido à porta do número 10 de Downing Street, em Londres. Boris Johnson considerou que o governo está a fazer progressos e espera que o país possa vencer a fase 2 da batalha contra a epidemia.

"Há sinais de que estamos a ultrapassar o pico", disse, descrevendo o novo coronavírus como "um asssaltante" - " e posso falar por experiência pessoal", sublinhou. "Este é o momento em que estamos a começar a derruba-lo", garantiu Boris Johnson, considerando continuar o país "em alto risco" e por isso ainda não em condições de flexibilizar as medidas de contenção.

09h40 (CET) Primeira-ministra clama vitória sobre a Covid-19

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern , disse hoje que o país venceu a batalha contra a Covid-19 perante os poucos casos de infeções locais no país.

"Não há grandes infeções locais na Nova Zelândia. Vencemos a batalha", disse Ardern, aos jornalistas em Wellington, acrescentando que está otimista de que o país vai continuar no caminho do sucesso.

"Para conseguir isso, precisamos rastrear os casos mais recentes. É como procurar uma agulha no palheiro", alertou, especificando que no 11 de maio será avaliado se as restrições serão novamente reduzidas.

A Nova Zelândia registou desde domingo um novo caso de infeção no seu território insular ocupado por 5 milhões de habitantes. Atualmente, tem 1.122 casos confirmados do novo coronavírus, incluindo 19 mortes. A taxa de transmissão é inferior a 0,4%, em comparação com a média internacional de 2,5%.

A partir das 23:59 de hoje o Governo da Nova Zelândia baixará o nível de alerta 4, que estava em vigor há quatro semanas que determinava o encerramento de todas as atividades e a quarentena da população, para o nível 3.

09h20 (CET) Lucros da Galp "afundam" mais de 70%

s lucros da Galp caíram 72% no primeiro trimestre do ano para 29 milhões de euros, uma queda justificada com as alterações no mercado provocadas pela pandemia de covid-19, revelou hoje a empresa.

Os resultados do primeiro trimestre da Galp, comunicados pela empresa à Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM), indicam que o resultado líquido ajustado (RCA) do primeiro trimestre deste ano reflete "a adversidade das condições de mercado".

Estas adversidades levaram "ao registo de um prejuízo de 257 milhões segundo as normas contabilísticas internacionais (IFRS), em resultado do reconhecimento da desvalorização do inventário da Galp em 278 milhões devido à queda das cotações dos produtos"

09h15 (CET) Dois terços da população ativa portuguesa perdeu rendimentos

Quase 60% da população ativa está a sofrer redução de rendimentos devido à perda de emprego ou à diminuição do trabalho como consequência da pandemia covid-19, segundo os resultados de um inquérito publicado hoje pela Deco Proteste.

A vaga de desemprego tem atingido três vezes mais mulheres do que homens, com 13% e 4% respetivamente.

“Uma em cada 10 famílias viu, pelo menos, um dos elementos perder o trabalho” e “até ao momento, 4% dos agregados têm os dois membros do casal sem atividade profissional”, pode ler-se nas conclusões do estudo.

07h40 (CET) Presidente de Moçambique resume os primeiros 100 dias de governação

O Presidente Filipe Nyusi agendou para hoje uma comunicação ao país para resumir os primeiros 100 dias de governação após a reeleição e consequente tomada de posse a 15 de janeiro.

Tal como em todo o mundo, a pandemia de covid-19 foi um dos fatores com maior impacto nos primeiros 100 dias do segundo mandato de Filipe Nyusi: obrigou o governo moçambicano a rever planos, metas e a adaptar-se a uma nova realidade.

O crescimento económico que se previa pudesse ficar acima de 4% este ano, foi revisto em baixa, para um intervalo entre 2,2% e 3,8%.

07h20 (CET) Brasil e Angola ameaçados pela baixa do preço do petróleo

Paises do golfo pérsico e Rússia deverão ser os "vencedores" na flutuação dos preços do petróleo, enquanto países como Brasil e Angola perdem atratividade para investimentos na produção, estima o presidente executivo da Partex, à Lusa.

"Vai haver um colapso muito grande no mundo da procura e é evidente que quem vender petróleo e gás a preços mais baixos e mais competitivos serão os vencedores. E estes serão tradicionalmente os países do Golfo Pérsico, com custos de produção muito baixos, e a Rússia", afirmou António Costa e Silva.

Como exemplo, o gestor apontou a Arábia Saudita onde o custo do petróleo "é da ordem dos 3,3 dólares por barril".

07h10 (CET) Quase 1.400 mortes em África

A atualização dos números da epidemia pelo Centro de Prevenção e Controlo de Doenças de África indica esta segunda-feira mais de 31 mil casos de infeção registados no continente e pelo menos 1.390 mortes associadas à Covid-19, salientando-se a recuperação da infeção de mais de 9.300 pessoas.

Os números poderão, no entanto, estar longe da realidade devido à dificuldade de muitos países africanos em conseguir monitorizar as populações.

07h05 (CET) Primeiro-ministro britânico volta ao trabalho

Boris Johnson regressou domingo à noite à residência oficial do chefe de Governo britânico, o número d10 de Downing Street, e esta segunda-feira retoma o trabalho, pressionado pela gestão da crise da epidemia no país e pelos empresários ávidos de retomar a atividade económica, apesar da propagação do vírus continuar sem dar tréguas no Reino Unido: mais de 154 mil casos de infeção registados e mais de 20 mil mortes, com um acrescento de 413 de sábado para domingo.

07h00 (CET) Restauro da catedral de Notre-Dame é retomado

Obras de restauro da catedral de Notre-Dame, em Paris, são retomadas esta segunda-feira após a suspensão imposta em março devido às medidas de contenção da pandemia em França. A catedral, um dos monumentos mais visitados da Europa, consumida por um incêndio há pouco mais de um ano.

As obras decorrerão em três etapas, com um aumento de trabalhadores ao longo do mês de maio.

Os trabalhadores no local terão máscaras, acesso a dispensadores de álcool gel e terão soluções de acomodação e entrega de refeições, de acordo com o órgão público encarregado da restauração da igreja.

Outras notícias do dia:

  • Alemanha registou mais 1.018 infeções em 24 horas, elevando o número total de casos confirmados no país para 155.193, indica a atualização do Instituto Robert Koch às 00h desta segunda-feira. Na lista de óbitos associados à pandemia, somaram-se mais 110 mortes e o total é agora de 5.750. O número de pessoas recuperadas da infeção aumentou 2.500 e eleva-se agora às 114-500.
Instituto Robert Koch
Atualizado às 00h de 27 de abril de 2020Instituto Robert KochMarques, Francisco
  • China voltou a adicionar mais uma pessoa à lista de óbitos no âmbito da pandemia. O país epicentro da pandemia não registava mortes associadas à covid-19 há mais de uma semana, mas em Pequim, após autópsia a um cadáver, as autoridades decidiram adicionar mais uma pessoa à lista de fatalidades no país ligadas ao SARS-CoV-2, elevando o balanço total de mortes para as 4.633 entre os quase 83 mil casos de infeção registados.
  • Lucros da indústria chinesa caem 36,7% nos três primeiros meses deste ano. De acordo com o Gabinete Nacional de Estatísticas chinês (GNE), os ganhos entre janeiro e março fixaram-se nos 781.450 milhões de yuan (102.340 milhões de euros). A queda agravou-se após o recuo de 6,3%, em dezembro, antes do início do surto, e 3,3%, no conjunto de 2019. Para este indicador, as estatísticas chinesas consideram apenas empresas industriais com receitas anuais superiores a 20 milhões de yuan (2,5 milhões de euros).
  • Estados Unidos da América, o país mais afetado pelo SARS-CoV-2 neste momento, registaram mais 1.330 mortos associados à Covid-19 em 24 horas, elevando o número total de óbitos para perto dos 55 mil. O número de pessoas recuperadas da doença ultrapassou as 107 mil e os casos de infeção ativos no país são 804 mil.
Universidade Johns Hopkins
Atualizado às 05h31 de 27 de abril de 2020Universidade Johns HopkinsMarques, Francisco