EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Oposição a Putin faz protesto digital

Oposição a Putin faz protesto digital
Direitos de autor AP screenshot
Direitos de autor AP screenshot
De  Euronews com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Movimento "Net!" ("Não!") opõe-se a reforma constitucional que permite ao presidente russo governar durante mais dois mandatos.

PUBLICIDADE

A tradicional manifestação foi substituída por um protesto digital, mas nem por isso os opositores de Vladimir Putin deixaram de levar as palavras de ordem para a rua.

Dizem "Não!" às alterações à constituição que permite ao presidente governar mais dois mandatos e acusam o governo de usar a quarentena do coronavírus para impor restrições ilegais.

Dmitriy Gudkov, político da oposição ao governo russo explica que, para ele, a ação se trata de uma "a reunião dos cidadãos que são mantidos sob prisão domiciliária".  Para o participante do movimento "Net!" ("Não!"), o governo está a usar a quarentena por causa do coronavírus como pretexto para mantê-los em casa. "Agora estamos todos em prisão domiciliária, porque não tem nada a ver com quarentena ou com autoisolamento, embora tivéssemos concordado em ficar em casa durante o surto do coronavírus", afirma.

A ação foi difundida através do canal YouTube e, apesar de sofrer alguns problemas técnicos, incluiu intervenções de opositores, especialistas e agentes da sociedade civil, todos a partir de suas casas.

Putin anunciou esta terça-feira que o pico da pandemia na Rússia ainda está por atingir e que o país vai permanecer em quarentena até 11 de maio.

De acordo com os dados oficiais, a Rússia regista quase 100 mil casos de infeção de coronavírus aproximando-se das mil mortes associadas à covid-19.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vantagem do "sim" no referendo à reforma constitucional russa

Rússia vota alterações à Constituição

Era Putin começou há 20 anos