Última hora
This content is not available in your region

Resolvida crise no governo português

euronews_icons_loading
Resolvida crise no governo português
Direitos de autor  BECUE
Tamanho do texto Aa Aa

Está resolvida, pelo menos para já, a crise no governo português. Ninguém sabe, de facto, o que foi dito durante três horas de reunião entre o chefe do executivo e o ministro das Finanças, mas nas redes sociais António Costa explicou terem ficado "esclarecidas várias questões sobre a concretização do empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução" e reafirmou "confiança pessoal e política" em Mário Centeno.

O também presidente do Eurogrupo protagonizou um momento embaraçoso para o primeiro-ministro ao ter autorizado a transferência de 850 milhões de euros para o Novo Banco, "ao abrigo do acordo de venda", sem informar Costa que garantiu, ao parlamento, que não haveria mais ajudas do Estado até que serem conhecidos os resultados da auditoria ao banco, pedida pelo presidente da República.

Na Comissão de Orçamento e Finanças o referido ministro tinha explicado que a transferência "não foi feita à revelia de ninguém" e que esta acontece ao abrigo do acordo de venda celebrado em 2017 com os norte-americanos do fundo Lone Star.

Mário Centeno acabaria por assumir que António Costa só foi informado da transação - que considera ser necessária para manter a estabilidade financeira e económica do país - após o debate quinzenal no qual este afirmou não haver qulaquer injeção de capital prevista. A informação terá chegado ao chefe do executivo "com um par de horas de atraso”.

Numa visita à Auto-Europa, Marcelo Rebelo de Sousa não conseguiu fugir às questões dos jornalistas sobre a matéria. O chefe de Estado apoiou António Costa e afirmou que é, politicamente diferente o Estado assumir responsabilidades antes e depois de conhecidos os resultados da auditoria.