Japão compromete-se com UE a aumentar ajuda para África

Shinzo Abe, primeiro-ministro do Japão
Shinzo Abe, primeiro-ministro do Japão Direitos de autor KIM KYUNG-HOON/AFP
Direitos de autor KIM KYUNG-HOON/AFP
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Shinzo Abe manifestou-se empenhado no curto e no médio-longo prazo com o apoio aos países em desenvolvimento.

PUBLICIDADE

A cimeira desta terça-feira entre a União Europeia e o Japão, realizada por videoconferência, resultou num compromisso nipónico de aumento da ajuda aos países em desenvolvimento, nomeadamente em África, para fazerem face à pandemia da covid-19.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, comprometeu-se perante os presidentes do Conselho Europeu, Charles Michel, e da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a "aumentar a sua ajuda a países parceiros, não só a curto prazo, mas também dando apoio a médio-longo prazo para o reforço dos sistemas de saúde e da resposta ao enorme impacto económico da atual crise", segundo um comunicado de imprensa conjunto.

Os destinatários desta ajuda ao combate à pandemia da covid-19, que do lado europeu soma já os 20 mil milhões de euros, são os países em desenvolvimento, em África e noutras regiões.

O Japão e a UE irão ainda acelerar a cooperação na investigação nas áreas da saúde e da ciência, tecnologia e inovação.

No comunicado, a UE e o Japão reiteram que uma futura vacina da covid-19 seja "um bem global comum", que deverá ser acessível a todos a um preço razoável.

A campanha de angariação de fundos promovida pela Comissão Europeia para financiar a investigação de tratamentos e vacina para a covid-19 atingiu 9,5 mil milhões de euros, acima do objetivo inicial de 7,5 mil milhões de euros, sendo que o Japão contribuiu com 762 milhões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comandante das Forças Armadas do Quénia morre em acidente de helicóptero

Apelo ao reforço da Operação Aspide de proteção dos navios do Mar Vermelho

Funcionário sueco da UE detido há dois anos no Irão