Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Quase 3 mil angolanos aguardam regresso ao país

De  euronews com lusa
AP photo
AP photo   -   Direitos de autor  Cliff Owen/AP2011
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de 2.700 cidadãos angolanos estão no estrangeiro à espera de poderem regressar a Angola, estando o maior número em Portugal (728), indica o Relatório das Atividades Realizadas para o Controlo da Pandemia da covid-19.

O documento apresentado hoje na Assembleia Nacional refere que do total de 2.702 angolanos nesta situação, 687 cidadãos estão em países fronteiriços - 185 na Namíbia, 112 na Zâmbia, 367 na República Democrática do Congo (RDCongo) e 23 na República do Congo.

Portugal é o país que acolhe o maior número de cidadãos angolanos (728), seguindo-se a África do Sul, com 536, o Brasil, com 200, e a Índia, com 157.

Angola registou o primeiro caso de covid-19 em 21 de março passado, de lá à presente data está com um total de 92 infetados, dos quais quatro pessoas morreram e 38 conseguiram recuperar.

Para mitigar os efeitos da pandemia, o Presidente angolano, João Lourenço, criou a Comissão Multissetorial para a Prevenção e Combate à Covid-19, decretou o estado de emergência em 27 de março, com três prorrogações, que findou a 25 de maio, declarando a situação de calamidade pública, a partir de 26 de maio.

Em África, há 5.334 mortos confirmados e cerca de 196 mil infetados em 54 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 404 mil mortos e infetou mais de sete milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.